quarta, 14 de novembro de 2018
Água
Compartilhar:

Falta água quase todos os dias em João Pessoa

Lucilene Meireles e Katiana Ramos / 09 de novembro de 2018
Foto: Assuero Lima
Praticamente todos os dias pelo menos um bairro de João Pessoa fica sem água. O ano ainda nem terminou e as ocorrências de interrupções nas casas dos consumidores já somam 314 registros e os vazamentos respondem por 53% dessas ocorrências. Os dados são da Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), que enga que exista p chamado ‘racionamento branco’ na Capital. No entanto, não é o que consideram moradores de diversos bairros que, muitas vezes, são surpreendidos com as torneiras vazias.

Em Mangabeira VIII, por exemplo, não há outra palavra para definir o suplício que os moradores têm vivido há mais de 30 dias. Eles asseguram que a falta d’água é diária e, quando tem, falta pressão para chegar aos pontos mais altos, como os chuveiros e caixas d’água.

A dona de casa Maria José da Cunha mora há quatro meses na Rua das Gardênias, próximo à mata, e não tem água em nenhuma torneira. “Se tomei banho de chuveiro duas vezes nesse tempo, foi muito. No meu vizinho, cai um pouco na do jardim, que é baixinha, e estou pegando lá para fazer tudo. A situação está bem difícil, mas estava pior. Até poucos dias, a gente ia buscar na mata, onde tem uma torneira que sempre tem água”, lamentou. Segundo ela, pelo menos dois vizinhos decidiram se mudar por conta do problema.

Na casa do vigilante Fábio da Silva, a reclamação é a mesma. “São 38 dias sem água. Tive que comprar uma caixa de 500 litros e enterrei no chão para armazenar a água que cai, de madrugada, da torneira de fora. Comprei também uma bomba para fazer essa água chegar até a caixa d’água da minha casa. Tenho 11 protocolos na Cagepa e só dizem que o pessoal está em campo, mas ninguém resolve nada”, reclamou.

Para o segurança Sérgio Carlos Fernandes, existe uma explicação para o problema. “Isso tudo está acontecendo por conta dos moradores da comunidade do Aratu, que desviam água”, afirmou. Uma moradora acrescentou que há um crescimento desordenado nessa comunidade e os moradores de lá teriam instalado uma bomba que estaria causando a redução da pressão da água para o restante do bairro.

Desafio diário

Fazer as tarefas domésticas sem água tem sido um desafio para a dona de casa Maria do Rosário Tibúrcio, que mora na Rua Maria Regina Martins, a principal do bairro.

“Se cai água na torneira, é fraca. Nessa quinta (8), só pude lavar louça às 3h da madrugada, depois que desliguei a máquina de lavar”, relatou. Segundo ela, que mora próximo à Escola Municipal Afonso Pereira da Silva, a suspensão do fornecimento ocorre em horários alternados e a vizinhança nunca sabe quando terá água.

Vários moradores garantiram que a Cagepa teria informado a eles que o abastecimento está diminuindo e, por isso, estaria sendo feito esse esquema de suspensão. Outra explicação dada pela Companhia à população do bairro seria de manutenção na estação elevatória.

Outros bairros. A falta d’água constante não é privilégio dos moradores de Mangabeira VIII. No bairro João Paulo II, os moradores garantem que falta todos os dias e a população já cansou de reclamar. No caso desse bairro, a situação se arrasta há vários meses e nada de solução.

No bairro de Cruz das Armas, os moradores também têm sofrido com a falta d’água constante. “Aqui falta água quase todos os dias. Não tem mais aviso. Simplesmente, a água vai embora e a gente tem que esperar. Agora, a conta vem direitinho”, observou a aposentada Maria Santana da Silva.

O mesmo problema também acontece nos bairros do Miramar e Tambauzinho, segundo reclamação dos moradores dessas localidades nas redes sociais.

O que diz a Cagepa

Cidade Verde - Mangabeira VIII

A Cagepa está substituindo alguns equipamentos danificados na estação elevatória de água do Pólo Turístico que abastece também parte do Valentina Figueiredo. O objetivo é melhorar a vazão de água para essas localidades, e a previsão é normalizar o serviço até a próxima terça-feira.

Quanto à informaçãorelacionada à comunidade Aratu, a Companhia informou que está averiguando. Equipes de educação ambiental farão um trabalho de conscientização do uso racional da água no local.

João Paulo II

A Cagepa informou que vem adotando medidas para solucionar o caso.

Está sendo concluída a obra de ampliação do sistema, com reforço na distribuição. Segundo a Companhia, é uma obra de grande porte que irá melhorar a oferta de água para onze bairros da região, inclusive João Paulo II. A previsão para conclusão da obra é no próximo mês de dezembro.

Cruz das Armas

As suspensões no fornecimento de água no bairro são ocasionadas por dois fatores, segundo a Cagepa: manutenções previamente programadas e informadas à população, ou pelo surgimento imprevisível de vazamentos na rede de abastecimento. Nessa quinta-feira (8), segundo a assessoria de imprensa, um vazamento foi retirado na Avenida Centenário. Já na Rua Félix Antônio com Abel da Silva, foi substituído um registro. Segundo a Cagepa, os serviços seriam concluídos na tarde dessa quinta (8).

Demais localidades

A reportagem do CORREIO voltou a procurar a assessoria da Cagepa para saber da falta de água em decorrência dos vazamentos nos bairros da cidade. Mas, foi informada de que não haveria tempo para responder a demanda para a edição de hoje.

 

Relacionadas