quarta, 12 de maio de 2021

Água
Compartilhar:

Defesa Civil vai vistoriar reservatórios de João Pessoa

Katiana Ramos e Aline Martins / 26 de junho de 2018
Foto: Rafael Passos
Após vistoria realizada nessa segunda-feira (25), os técnicos da Defesa Civil Municipal de João Pessoa suspeitam que a falta de manutenção pode ter sido a causa do rompimento da parede do reservatório apoiado do R-1, situado no cruzamento da Avenida João Machado com a Rua Diogo Velho, na Capital. O acidente aconteceu na tarde do último domingo.

“Ainda vamos esperar o resultado do laudo, mas temos quase certeza de que foi falta de manutenção. As partes metálicas das paredes tinham muito ferrugem e com um tempo isso danifica a estrutura”, explicou o coordenador da Defesa Civil da Capital, Noé Estrela. Ele disse que o laudo com o resultado da vistoria deve sair amanhã. A Companhia de Água e Esgoto da Paraíba (Cagepa) foi notificada pelo órgão municipal e, em nota, informou que a manutenção dos reservatórios é feita periodicamente.

Noé Estrela revelou ainda que solicitou à Cagepa um relatório com a localização e as condições físicas dos demais reservatórios que contém estruturas apoiadas elevadas. Segundo ele, a Companhia deverá encaminhar o documento em um prazo de dez dias a contar dessa segunda-feira (25). “São reservatórios antigos e nós queremos saber as condições dessas estruturas para prevenir possíveis danos. Esse reservatório do Centro terá que ser demolido porque a estrutura está toda comprometida”, disse o coordenador da Defesa Civil.

Sobre a vistoria realizada pela Defesa Civil Municipal, a Cagepa informou que uma empresa terceirizada foi contratada para fazer uma avaliação na estrutura danificada no último domingo.

Falta de água

Por conta do rompimento das paredes do reservatório apoiado, praticamente todos os dois mil de litros de água limpa que estavam armazenados na estrutura escorreram pelas ruas centrais da Capital no domingo. Por conta disso, nove localidades ficaram sem água. A previsão é que o abastecimento seja normalizado até a próxima sexta-feira.

Em Jaguaribe, um dos bairros afetados, a falta de água é assunto de lamentações dos moradores. O aposentado Antônio Lucena, 73 anos, não sabe como vai ser os próximos dias.

“Eu tinha uma caixa d’água e decidi trocar agora a pouco. Não sabia que iria acontecer uma coisas dessas. Nesse momento estou sem caixa d’água. Estou me virando com um balde grande que eu tenho com água guardada, mas não sei como vai ser se passar muitos dias sem água”, comentou.

Apesar de na casa da aposentada Severina Ramalho, 70 anos, ter caixa d’água, o problema deve aumentar nos próximos dias, pois há pelo menos três dias o bairro onde reside, Jaguaribe, já sofria com a falta de água. “Só vai agravar. Eu tenho caixa, mas estou com medo de fazer até o almoço porque não sei o quanto ainda tem de água na caixa. Está bem difícil”, contou, acrescentando que já tem um plano B se a água não chegar às torneiras, que é pedir que os familiares tragam de outro bairro que não foi atingido com o rompimento.

Na manhã de ontem, funcionários de uma empresa privada fizeram a retirada dos entulhos e da sujeira causada pela ruptura da parede do reservatório. Conforme a Cagepa, foi instalada uma Comissão de Sindicância para apurar as possíveis causas do rompimento. Também foi contratada uma empresa especializada em estrutura de concreto para apurar e emitir parecer.

Segundo o órgão, todos os reservatórios dos sistemas de abastecimento recebem manutenções periódicas. Do reservatório praticamente não sobrou água. Porém informou que como os outros dois reservatórios apoiados não foram afetados, será possível manter o abastecimento por meio dessas unidades.

Abastecimento intermitente

Sobre o abastecimento, a Cagepa informou que está adotando as medidas emergenciais, para que as áreas abastecidas por essa unidade tenham o seu abastecimento restabelecido, de forma plena, até o final desta semana.

Neste período, o abastecimento será feito de forma intermitente. Ainda não é possível estabelecer um cronograma do abastecimento.

Motoristas afetados

Além da água, blocos de concreto e outros entulhos foram lançados à pista por conta do impacto causado pelo rompimento do reservatório. Aqueles motoristas que tiveram os carros danificados devem procurar a Companhia. Conforme o órgão, as pessoas que se sentirem prejudicadas pelo incidente e devidamente comprovados deverão requerer a reparação do dano, para que a Cagepa analise e se posicione.

Relacionadas