segunda, 21 de maio de 2018
Água
Compartilhar:

Chuvas e transposição fizeram Boqueirão atingir 1/5 de sua capacidade de estocagem

Wênia Bandeira / 17 de Abril de 2018
Foto: Divulgação
O Açude Epitácio Pessoa, em Boqueirão, está entre os açudes que não mais preocupam. O manancial saiu do estado “em observação” e já está entre os que já acumulam mais de 20% da sua capacidade. O aumento da lâmina de água se deve à Transposição do Rio São Francisco e à chuva registrada no Estado.

Boqueirão recebeu 13.773.782 metros cúbicos em um dia de chuva, o que representa a altura de 90 centímetros da lâmina da água. Na semana passada, completou um ano que as águas do Velho Chico chegaram ao manancial, passando de 2,9%, no dia 13 de abril do ano passado, para 29% ontem.

Com este ganho, o especialista da área, Isnaldo Cândido, já acredita na possibilidade de que o manancial sangre até o fim do período chuvoso. Ele trabalha colhendo informações dos açudes e repassando para a Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), que oficializa os dados.

“No dia 1º de fevereiro de 2004, eu vi Boqueirão sangrar após 15 dias de chuvas. Havia 15 anos que o açude não sangrava. Se continuar assim, eu tenho certeza que ele ganha os dez metros e 55 centímetros que faltam para que ele transborde”, afirmou o especialista.

Mas para o presidente da Aesa, João Fernandes, esta previsão é somente “um sonho coletivo”. De acordo com ele, a probabilidade de o açude ultrapassar 100% de sua capacidade ainda é remota.

“A gente pode sonhar com a sangria, conseguimos recuperar um quarto da capacidade e teremos um mês e meio de chuva boa. Eu já vi esse açude tomar 120 milhões de metros cúbicos neste mesmo período do ano, se continuar essa chuva teremos um longo alcance, mas sangrar é difícil que aconteça”, falou.

Em alguns pontos, os rios Paraíba e Taperoá aumentaram o volume e transbordaram. João Fernandes explicou que foram registradas chuvas localizadas ao longo desses rios, o que fez estes pontos subir.

“A chuva se precipita em um canto só. O leito do Rio Paraíba, por exemplo, suporta 200 a 300 metros cúbicos e, quando chove lá, a água se espalha ao longo de seu caminho, por isso não existem cheias significativas. É chuva localizada”, detalhou.

Esses ganhos de água devem continuar até o fim do mês, segundo a meteorologista, Marle Bandeira. Ela falou que são esperadas grandes precipitações em todo o estado, principalmente no sertão, alto sertão e cariri.

Muita chuva em CG

Em Campina Grande, foram registradas precipitações desde a tarde de domingo, que continuaram durante todo o dia de ontem. Mesmo assim, a cidade não teve problemas ocasionados pela chuva.

“Estamos sem ocorrências, apenas com monitoramento para prevenção em áreas possíveis de alagamento. Estamos também com um trabalho conjunto com as secretarias municipais de obras e assistência social, mas tudo como prevenção”, afirmou o coordenador municipal da Defesa Civil, Ruiter Sanção.

Relacionadas