quarta, 18 de outubro de 2017
Água
Compartilhar:

Afinal, quando racionamento de águas em Campina Grande e região vai acabar?

Luís Eduardo Andrade / 20 de abril de 2017
Foto: Reprodução
As águas do Chico finalmente chegaram ao Açude Boqueirão. Mas o que a população da cidade de Campina Grande e adjacências realmente quer saber é quando o racionamento de água vai acabar. Desde 2014, quase 700 mil pessoas dispõem de água nas torneiras em apenas quatro dias da semana. Mas junto com as águas do Rio São Francisco, vem a esperança de o racionamento chegar ao fim.

Quando acaba?

De acordo com o presidente da Agência Executiva de Gestão de Águas (Aesa), João Azevedo, o açude conta hoje com um índice de 2,9% de sua capacidade total. O número preocupante inspira cuidados, porém quando o volume do reservatório atingir 8%, o racionamento deve chegar a seu fim. E o número tão esperado deve ser batido entre 60 e 70 dias, conforme informou o presidente.

João Azevedo ainda revela que o fim do racionamento não seria precipitado, visto que a vazão necessária para manter a cidade deve ser menor do que a que chega ao açude pelo rio. “Não é precipitado, até porque você tem a possibilidade da chegada de mais águas. Vai ser por conta da vazão. Para tirar do racionamento, preciso de 1,2m3/s, se eu tiver uma vazão chegando de 5 m3/s, não tem problema. Descontando outros usos como evaporação, mesmo assim vai acumular”, disse o presidente.

Economia

E o fim do racionamento também representa um impulso na economia. De acordo com João Azevedo, a Paraíba vive um momento histórico e a chegada das águas terá grande impacto na economia das cidades que sobrevivem do açude Boqueirão. “É importante entender dimensão do que isso representa pra Paraíba, para a economia da região. Existe um centro de produção entorno da barragem que voltará a ser ativado dentro de alguns dias. Toda área de irrigação voltará a ter produção grande e garantia permanente de água”, finalizou o presidente da Aesa.

Entenda

O açude Epitácio Pessoa, mais conhecido como Boqueirão, entrou em situação crítica no ano de 2014, sendo inclusive declarado como volume morto, atingindo apenas 5% de sua capacidade total. E por conta disso, as regiões abastecidas pelo reservatório tiveram que enfrentar um racionamento durante os finais de semana. A cidade de Campina Grande, que fica a 133 quilômetros de João Pessoa, e mais 18 municípios passaram a ter o abastecimento de água interrompido todos os sábados às 17h e sendo liberado nas segundas às 5h. A situação que, previamente, deveria se findar em 2015, se estende até hoje. Todavia, a chegada do Rio São Francisco renovou as esperanças dos campinenses, que aguardam ansiosos o fim do racionamento.

Relacionadas