segunda, 21 de setembro de 2020

Aedes
Compartilhar:

Chuva aumenta risco de proliferação da dengue

Aline Martins / 30 de dezembro de 2016
Foto: Assuero Lima
Desde a semana passada começou a chover em vários municípios paraibanos. É nesse período de altas temperaturas, uma vez que estamos no Verão, com possíveis acumuladores de água, que o cuidado deve ser redobrado e com isso evitar o aparecimento de criadouros do mosquito da Aedes aegypti. Ontem, a reportagem do Jornal Correio da Paraíba, flagrou alguns locais, em João Pessoa, já com larvas do transmissor da dengue, zika e chikungnya. Esses focos estavam em pneus velhos e outros materiais que oferecem o risco para o surgimento do mosquito.

Apesar de terem sido registrados entorno de 40 milímetros de chuva de segunda-feira até ontem, na capital, conforme dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa-PB), a quantidade já foi suficiente para que o lixo se espalhassem pelas ruas. Se aquele material não for recolhido, possivelmente será um criadouro de mosquito Aedes aegypti. Em frente ao maior cemitério de João Pessoa, o Senhor da Boa Sentença, que fica na Rua Sebastião Oliveira Lima, na Ilha do Bispo, há um acúmulo de resíduos sólidos que favorecem para que o mosquito depositar os ovos.

Essa situação também se repete no Distrito Mecânico, principalmente porque na área, muitas pessoas trabalham peças de veículos que servem de espaço para o criadouro do mosquito como pneus, carrocerias e carcaças. Quem afirma cuidar do espaço se revolta com quem não faz o mesmo. O proprietário de uma sucata, Antonio Fernando, disse que evita deixar os pneus expostos a chuva, pois teme o surgimento do mosquito. No entanto, reclama que outras pessoas não cuidam também do espaço. “Eu tenho poucos pneus e todos eu guardo todos os dias”, frisou. Mas a reclamação é que o dono de uma sucata acumula inúmeros pneus velhos e que são criadouros do mosquito. Fernando Figueiredo, que é o dono, rebate. “Eu tiro a água quando chove”, disse, mas a população do entorno afirma o contrário.



O gerente de Vigilância Ambiental e Zoonoses, Nilton Guedes, explicou que todas as espécies vivas têm uma época do ano que é mais favorável a reprodução do que outra. “Para o Aedes aegypti, que é um mosquito que tem um hábito de sobrevivência em locais como áreas urbanas, nesse momento que aumenta a temperatura com essas chuvas é o melhor momento para a reprodução dele e é o melhor momento também onde ele encontra os locais para que ele dê sequência aos estágios de vida”, frisou, destacando que o mosquito só se reproduz se tiver água parada em locais que acumulem como pneus, garrafas, calhas, plásticos, entre outros.

Em relação aos pneus velhos, Nilton Guedes comentou que todas as fabricantes são responsáveis por recolher, pois o preço da coleta está embutido no produto quando é adquirido. Por conta disso há um número telefônico específico para esse tipo de resíduo. Já em relação ao trabalho executado no Distrito Mecânico informou que é pulverizado com um produto específico para atuar quando o local tiver o contato com a água.

 

Ciclo do mosquito

Ovo --------(1 semana na água parada) -------larva ------------(25 dias de vida) ---------pupa (início da fase adulta)------- mosquito (adulto, vive até 45 dias)

Serviço

- Entrega de pneus: 0800 083 2425

- Disque dengue: 3214-3459

Relacionadas