sexta, 15 de janeiro de 2021

Cidades
Compartilhar:

Quase mil leitos desativados na rede pública de saúde na Paraíba

Ainoã Geminiano / 18 de maio de 2016
Foto: Arquivo
Quase mil leitos de internação foram desativados na rede pública de saúde da Paraíba, entre os anos de 2010 e 2015, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). Em João Pessoa, 321 foram fechados. Na comparação com os outros estados, a Paraíba teve a sétima maior redução do País. Já João Pessoa ocupa a 10ª posição entre as capitais que mais reduziram. O levantamento do CFM foi feito com base no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Cnes), do Ministério da Saúde.

Os dados do CFM também mostram a redução de leitos por especialidades. As áreas de pediatria, clínica médica e obstetrícia foram as mais comprometidas na Paraíba. Quase metade dos leitos fechados no Estado (410) eram destinados à internação de crianças. Também houve redução nos leitos cirúrgicos, um dos setores considerados mais sensíveis. Em João Pessoa, houve crescimento dos leitos cirúrgicos, mas a pediatria foi a área mais afetada pela perda, a exemplo do que aconteceu no Estado.

Para o presidente do CFM, Carlos Vital, o levantamento mostra, em números, a realidade vivida diariamente por médicos e pacientes nos hospitais brasileiros, o que acaba provocando atrasos no diagnóstico e tratamento, aumentando a mortalidade.

Em nível nacional, as especialidades mais afetadas foram psiquiatria, pediatria cirúrgica, obstetrícia e cirurgia geral. Já os leitos destinados à ortopedia e traumatologia foram os únicos que sofreram acréscimo.

“Só resta ao usuário do SUS rezar para não adoecer e não precisar de internação hospitalar. Sufocados com o congelamento da tabela SUS, hospitais filantrópicos estão fechando as portas. Governos e municípios também não estão conseguindo manter suas estruturas hospitalares, a cada dia mais sucateadas”, lamenta o secretário do CFM, Hermann Tiesenhausen.

PMJP promete

4Em nota, a Secretaria de Saúde de João Pessoa disse que estão sendo criados 14 novos leitos na UPA, que será inaugurada no bairro de Cruz das Armas, ainda este ano. A secretaria informou ainda que estuda a possibilidade de criação de novos leitos em hospitais conveniados, mas ainda sem previsão.

Estado explica

4Também em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) disse que, entre 2010 e este ano, o governo criou 526 leitos na rede e que isso está registrado no Cnes. A nota diz que a redução apontada pelo CFM aconteceu em instituições filantrópicas, municipais e privadas e não na  Rede Estadual de Saúde da Paraíba.

Doentes correm riscos

“A insuficiência de leitos para internação ou realização de cirurgias é um dos fatores para o aumento do tempo de permanência nas emergências. São doentes que acabam ‘internados’ nas emergências à espera do devido encaminhamento para um leito adequado, correndo riscos de contrair infecções”. arlos Vital, presidente do CFM.

Leia Mais

Relacionadas