sábado, 20 de julho de 2019
Carnaval
Compartilhar:

Entre o frevo e a folia, nasce um amor para a vida toda

Lílian Moraes / 28 de fevereiro de 2017
Foto: Arquivo pessoal
 

Quem disse que amor de carnaval acaba na quarta-feira de Cinzas?  Embora muitos homens e mulheres estejam empenhados apenas em se divertir, no meio dos blocos, bailes à fantasia e trios elétricos, há quem acabe entregando o coração. Entre um axé e um frevo, casais se apaixonam e vivem um romance. Alguns acabam com os primeiros raios de sol da quarta-feira, outros seguem durante alguns meses e muitos se fundamentam em um romance real.

A biomédica e professora Vanessa Germoglio conheceu seu grande amor, Tiago Faria, durante o carnaval e se prepara para casar no início do mês de março.  Tiago é produtor de eventos e organiza uma república em Diamantina, Minas Gerais. “Sempre tive vontade de conhecer o Carnaval de lá e fui com um grupo de amigas. Todas as questões de contrato e pagamento eu resolvia com o Tiago e nossa relação foi sempre profissional. Ele nunca soltou nenhuma cantada ou flerte até chegar a véspera da minha viagem, quando precisei resolver uma questão do meu pagamento que tava dando problema. Ele se mostrou super atencioso e a conversa foi rolando fácil.  A minha intenção era curtir a festa, conhecer pessoas novas e a dele era trabalhar.  Mas quando nos encontramos a primeira vez, sentimos algo diferente e não nos desgrudamos o Carnaval inteiro", contou.

A parte difícil da folia amorosa foi a despedida. "No último dia foi difícil a despedida, parecia que nos conhecíamos há anos e seríamos separados mais uma vez. Fiquei receosa dele sumir e perder o interesse, ainda mais com a questão da distância, porque ele é de Juiz de Fora. Mas não foi o que aconteceu. Desde a véspera do carnaval de 2016, nos falamos todos os dias, o que foi gerando uma convivência e sentimentos mesmo com a distância” , conta Vanessa

Com o tempo, o amor foi crescendo ainda mais. “Dois meses depois do carnaval ainda estávamos super empolgados e cada dia mais apaixonados. Foi quando ele veio a primeira vez. A certeza se consolidou ali e, entre pontes aéreas ,estamos aqui hoje, prestes a nos casar. Ele chega em março pra ficar de vez aqui em João Pessoa” revela Vanessa provando que o amor de carnaval vai além da quarta-feira de cinzas.



Mais histórias de amor no carnaval        

O empresário Fernando Figueiredo conheceu e se apaixonou pela esposa durante os festejos carnavalescos.  Mariana Dias, professora, a eleita, estava no mesmo bloco que ele e foi amor à primeira vista. “Ficamos juntos na primeira noite do evento. Na segunda noite não a vi e tive a pior sensação da minha vida. Era festa, mas meu coração estava em cinzas. Pensei que nunca mais a veria. Mas na terceira noite ela estava lá, linda e daí em diante nunca mais nos largamos. Namoramos três anos e  estamos casados há 10 anos”, revelou. Dessa união feliz nasceram Maria Fernanda, hoje com sete anos, e João Mariano, com cinco anos.

“Dizem por aí que paixão de carnaval é efêmera.  Mas eu acredito que o amor acontece em qualquer evento ou lugar. Ficamos e uma semana depois estávamos começando um namoro que dura até hoje, 11 anos depois. Virou verdadeiramente amor. Temos  a consciência de que somos os mesmos foliões de 2006. Mesmo tendo dois filhos ainda vamos para carnavais de rua, pulamos atrás de trio elétricos e somos apaixonados pelo carnaval de Olinda”, revela

A professora Julyana Lima e o bancário João Luiz  garantem que amor de carnaval pode durar muito mais que quatro dias de folia. Eles se conheceram durante as festas de um bloco da Capital e não se largaram nunca mais. “Nos apaixonamos loucamente, namoramos, casamos e continuamos curtindo as festas de carnaval até hoje". Casados há 12 anos, eles são pais de Ana Catarina 6 anos e João Luiz Júnior, 5 anos.

Quem também ouviu seu coração continuar  batendo forte mesmo depois que os tambores e cuícas encerraram o batuque foi o funcionário federal José Fernandes. Ele conheceu a enfermeira Joana D’arc  em um baile de máscaras no antigo Iate Clube da Paraíba.

“Meu coração disparou. Não vi mais nada e nem ninguém. Soube naquela hora que ela era o meu grande amor. Namoramos um ano e já estamos casados há 14 anos e temos uma filha com 12 anos”, disse Joana D’arc, que também sentiu que com José não seria apenas uma noite de folia, mas amor verdadeiro. “Quando ele segurou a minha mão eu senti meu corpo tremer e meu coração disparou. Fiquei meio com medo, porque sabia que aquela história iria longe. Hoje, graças a Deus vivemos um relacionamento verdadeiro com muito amor”.

Relacionadas