terça, 02 de março de 2021

Cariri
Compartilhar:

Cidades do Cariri da PB deverão ter água todos os dias na torneira a partir desta semana

Amanda Gabriel / 31 de maio de 2017
Foto: Reprodução
Mesmo um mês após a chegada das águas do Rio São Francisco à Paraíba, nenhum município saiu da situação de racionamento. Porém, conforme previsão do presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas, cidades do Cariri devem deixar os esquemas rigorosos de abastecimento já nesta semana.

Leia também: 

Cidades do Cariri paraibano ainda não receberam águas da transposição

Açude Boqueirão chega a 5% da capacidade total e sai de situação crítica, diz Aesa


Campina Grande e região devem ser beneficiados com essas mudanças até o fim do ano. Atualmente, o Açude Epitácio Pessoa, na cidade de Boqueirão, tem 5,5% e o racionamento será suspenso assim que ele chegar a 8,2% e saia do volume morto. Ao longo de um mês, o reservatório recebeu grande recarga e atingiu 5%, o que o fez sair da situação crítica.

Dos outros 126 reservatórios do estado, apenas 38 estão com mais de 20% de seus volumes máximos. Quarenta e dois estão em situação crítica, com menos de 5%, e 47 em observação, com menos de 20%. De acordo com a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), moradores de 115 municípios da Paraíba sofrem com a falta d’água. Oitenta e quatro estão em racionamento, 30 em colapso e um em alerta.

O Açude São José II, em Monteiro, o primeiro da Paraíba a receber as águas da transposição, é o único do interior do estado que está sangrando. Conforme dados da Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), o reservatório atingiu o máximo de sua capacidade, 1.311.540 m³, no dia 16 de maio.

Antes da cheia expressiva ocorrida a partir da chegada das águas do São Francisco o Açude São José II estava em colapso, segundo a Cagepa. A Companhia estima que outro reservatório que deve sair dessa situação em breve é o Cordeiro, na cidade do Congo. Cerca de 58 mil pessoas de 13 municípios são beneficiadas pelo manancial, que terá abastecimento auxiliado por uma obra emergencial no Sistema Adutor do Congo. A água será captada pela Cagepa no Rio Paraíba.

Relacionadas