domingo, 25 de outubro de 2020

Assalto
Compartilhar:

Explosões constantes fazem bancos fechar as portas e deixam milhares no prejuízo

Luís Eduardo Andrade / 09 de março de 2017
Foto: Reprodução
As explosões a agências bancárias, correios e caixas eletrônicos já viraram parte da rotina do paraibano. E os que mais sofrem com esse mal são os moradores de cidades do interior, que desprovidas de segurança preparada, se tornam alvos fáceis para os bandidos. Mas o mais preocupante é que as agências bancárias estão com medo de reabrir suas agências e a população sofre com o prejuízo. Por isso, na cidade de Conceição, que fica a 466 quilômetros de João Pessoa, o vereador Stherlan Lira decidiu entrar com uma denúncia ao Banco do Brasil pelo descaso com o município.

O vereador Stherlan Lira entrou com uma denúncia junto ao Ministério Público de Conceição contra a agência do Banco do Brasil da cidade, que segundo ele, está fechada há mais de 6 meses por conta de um assalto.  “A agência está fechada desde 16 de agosto de 2016 por conta de apenas um assalto, que não se repetiu. Além disso, não existe perspectiva de retorno, e enquanto isso a população sofre com a falta de dinheiro.”, constatou o vereador. Ainda, Stherlan disse que o promotor que recebeu a denúncia garantiu que abriria um inquérito civil a fim de que o Banco do Brasil tome as medidas cabíveis para reabrir a agência o mais rápido possível.

Com o fechamento do banco, os moradores precisam se deslocar às cidades vizinhas para sacar dinheiro e resolver burocracias bancárias, e acabam esquentando a economia dos outros municípios e esfriando mais ainda a situação de Conceição.

Areia também sofre

E a situação não é exclusiva da cidade de Conceição. O município de Areia, que fica a 168 quilômetros de João Pessoa, teve quatro explosões a banco em menos de oito meses. Em todas as ações, os “novos cangaceiros” se apresentam fortemente armados e se mantêm impunes após os crimes. Com o aterrorizante número de assaltos, as agências bancárias passaram a diminuir a quantidade de dinheiro nos caixas eletrônicos. Desta forma, o montante não é suficiente para população que também precisa se deslocar para outras cidades e acaba deixando de injetar dinheiro na economia areiense. “As pessoas não estão gastando mais dinheiro aqui. Elas vão tirar dinheiro nas outras cidades e compram por lá mesmo.”, afirmou o comerciante Inaldo Martins, de 54 anos, que já sente os efeitos da mudança na sua loja.

A capital não escapa

Apesar das cidades do interior paraibano serem mais atingidas pelos assaltos, a capital João Pessoa também é alvo dos bandidos. E o bairro predileto dos assaltantes é o Bessa. Só em 2016, seis agências do bairro foram explodidas ou arrombadas. Todas com o mesmo roteiro de terror: bandidos fortemente armados agindo na madrugada e fugindo impunes. E no ano 2017 parece que não será diferente. Na madrugada desta quarta-feira (8), um grupo de assaltantes tentou arrombar uma agência do Banco do Brasil que fica na Avenida Afonso Pena. O lado positivo é que dessa vez os bandidos não tiveram sucesso. A Polícia Militar foi acionada e ao chegar ao local, os bandidos efetuaram fuga, mas sem levar o dinheiro.

Apesar do número alto de casos de arrombamentos e explosões, a população não quer se acostumar com a situação, e em 2017, o Sindicato dos Bancários da Paraíba espera reduzir o número de ocorrências em relação ao ano passado, que registrou 105 crimes relacionados a bancos.

Relacionadas