quarta, 22 de novembro de 2017
Política
Compartilhar:

Veja a íntegra da delação premiada de Delcídio do Amaral homologada pelo STF

Redação com agências / 15 de março de 2016
Os nomes da presidente da República Dilma Rousseff (PT), do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do ministro Aloizio Mercadante não são os únicos que aparecem na delação premiada de Delcídio do Amaral (PT). O senador tucano Aécio Neves também figura na lista. A deleção premiada foi homologada nesta terça-feira (15) pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Delcídio do Amaral entregou ao presidente do PT em Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Biffi, carta pedindo desfiliação do partido. Em um texto curto, o senador informa a decisão de deixar o PT e pede que Biffi tome as providências para o desligamento.

Delcídio responde a representação no Conselho de Ética do Senado por ter sido flagrado tentando subornar a família do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, para que este não firmasse acordo de delação premiada com o Ministério Público. O filho de Cerveró, Bernardo, entregou a gravação da conversa em que o parlamentar oferecia R$ 50 mil por mês e um plano de fuga ao ex-diretor da estatal, o que levou Delcídio a ficar quase três meses preso.

VEJA AQUI A DELAÇÃO NA ÍNTEGRA 

Aécio se defende

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou nota para rebater as acusações de seu colega Delcídio do Amaral em delação premiada. No comunicado, diz ter sido citado "em três circunstâncias, todas elas falsas". "São citações mentirosas que não se sustentam na realidade e se referem apenas a 'ouvir dizer' de terceiros.

O que diz Aloizio

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse em coletiva à imprensa que nunca tentou impedir que o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) assinasse acordo de delação premiada. Segundo ele, a conversa com o assessor do senador, José Eduardo Marzagão, partiu dele e não foi um pedido da presidenta Dilma Rousseff.

Relacionadas