quarta, 23 de agosto de 2017
Política
Compartilhar:

Medida Provisória cria 13 cargos no Governo da Paraíba

André Gomes / 22 de julho de 2015
Foto: Arquivo
O governador Ricardo Coutinho (PSB) encaminhou à Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) uma Medida Provisória (MP) que cria 13 cargos na Secretaria de Estado da Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, responsável pela implantação do Plano Emergencial de Enfrentamento da Estiagem da Paraíba.

Como explicação o Governo do Estado disse que necessita da criação dos cargos já que a secretaria de Infraestutura possui hoje quatro conjuntos de perfuratrizes e um quadro de 26 profissionais, dos quais, 17 trabalham diretamente na área hidrogeologia. Dessa forma, o quantitativo, de acordo com o Governo do Estado, é insuficiente para fazer funcionar as máquinas e equipamentos.

“Para que os quatro conjuntos de perfuratrizes possam funcionar na plenitude, será necessário criar a quarta equipe de perfuração, bem como uma outra equipe específica para dar suporte mecânico, controle de transporte e entrada e saída de insumos utilizados na perfuração e instalação dos poços”, destaca o Governo no MP.

Para o líder do Governo na Assembleia Legislativa, Hervázio Bezerra (PSB), os cargos são necessário para funcionamento das ações. “Em função dos recursos que o governador conseguiu aportar, consequentemente existe a necessidade de criação desses cargos comissionados para que eles possam desenvolver a e acompanhar perante os 223 municípios essas ações já anunciadas”, disse.

Já o líder dos partidos que formam a oposição na ALPB, Dinaldinho Wanderley (PSDB), que a secretaria já dispõe de profissionais que podem agir no Plano de Enfrentamento da Estiagem e que não precisa inchar a folha ainda mais. “O aporte de dinheiro é muito grande e nós vamos ficar vigilantes na execução dessa obras porque os sertanejos já estão cansados de salvadores da pátria que apenas falam e nada fazem”, afirmou.

O Plano que terá um investimento de R$ 133 milhões, sendo R$ 80 milhões do tesouro estadual e R$ 53 oriundos do Ministério da Integração Nacional, prevê a construção de adutoras, barragens superficiais, barragens subterrâneas e a perfuração de 740 poços artesianos.

Relacionadas