terça, 25 de setembro de 2018
Eleições
Compartilhar:

Sistema lançado pelo MP vai permitir consultar dados econômicos dos candidatos

Adriana Rodrigues / 18 de junho de 2016
Foto: ASSUERO LIMA
Na disputa eleitoral deste ano, os eleitores vão contar com um aliado a mais para identificar práticas de caixa 2 pelos candidatos para financiamento de suas campanhas. Trata-se do ‘Contas Sujas’, um sistema do Ministério Público Federal (MPF) que vai permitir a consulta dos dados dos candidatos, a partir do cruzamento das informações de órgãos como o Banco Central, a Receita Federal e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e assim identificar possíveis irregularidades na arrecadação para as campanhas.

As informações coletadas pelo MPF poderão ser consultadas depois do registro dos candidatos e as possíveis irregularidades nas doações recebidas ou prestações de contas dos candidatos poderão dar origem a ações eleitorais, por parte do MPF.

A apresentação do sistema, que será lançado em julho, ocorreu durante encontro nacional dos membros do MPF que atuam na área eleitoral, nos últimos dias 9 e 10, em Brasília, para traçar estratégias para as eleições 2016. A reunião foi organizada pela Procuradoria-Geral Eleitoral e pelo Grupo Executivo Nacional da Função Eleitoral (Genafe).

Durante o evento, o vice-procurador-geral eleitoral, Nicolao Dino, anunciou que o objetivo da ferramenta é coibir o abuso de poder econômico e garantir a lisura, a legitimidade do processo eleitoral e combater as fraudes, para que a vontade do eleitor seja realizada no seu grau máximo de plenitude. Segundo ele, um dos principais pontos de preocupação do Ministério Público é o combate ao abuso de poder econômico, ao abuso de poder político e ao uso indevido da máquina administrativa.

Dino admitiu que a proibição das doações de empresas e outra pessoas jurídicas para as campanhas eleitorais pode aumentar o risco de uso do Caixa 2, o. “Por isso, é que precisamos ter as ferramentas para combater o caixa 2. Para isso, será importante o cruzamento de dados”, afirmou.

Relacionadas