quarta, 19 de setembro de 2018
Eleições
Compartilhar:

PT da Paraíba mantém vetos à alianças e vai bater de frente com insatisfeitos

Mislene Santos com assessoria / 26 de julho de 2016
Foto: Divulgação
Apesar da ameaça de alguns diretórios recorrerem à direção Nacional, o PT da Paraíba fechou questão e manteve a proibição total de alianças com PSDB, DEM, PPS e SD.  O veto anterior atingia dez partidos, mas após orientação da Executiva Nacional houve o recuo para esses quatro.  Há também vetos ao PMDB, mas de forma localizada, em municípios que tem influência política de parlamentares que votaram a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

Em nota, a Executiva Estadual do PT informou que após analisar individualmente as alianças construídas na Paraíba e seguindo a orientação do PT Nacional resolveu admitir a aliança com alguns partidos que votaram a favor da presidente Dilma Rousseff.  A decisão foi tomada durante reunião na noite desta segunda-feira (25).

A nova Resolução veta alianças  com o  PMDB nos municípios de Teixeira, Pedras de Fogo e Cabedelo, sob a justificativa de que nessas cidades a legenda recebe forte influência de personagens que atuaram ativamente no processo de impeachment de Dilma Rousseff.  O documento cita os nomes dos parlamentares e sua influência em determinadas regiões.

O veto em Teixeira é justificado “pela forte influência que a família MOTA tem no PMDB local. É publico que o Dep. Hugo Mota faz parte da chamada “tropa de choque” de Eduardo Cunha”, diz trecho da resolução.

Em Pedras de Fogo o PT não poderá se aliar ao PMDB devido “a forte influência que o Dep. Manoel Junior tem no PMDB local. Sendo inclusive a cidade de origem política do Deputado. O PMDB de Cabedelo tem fortes relações com figuras estaduais do partido que foram signatários e apoiadores do Golpe contra a Presidenta Dilma”, informa o documento.

O PT também está impedido de coligar com  PSC em  Araçagi,  assim como continuam proibidas alianças com PSDB, DEM, PPS e Solidariedade por estes serem partidos que fazem parte do bloco histórico de adversários do PT nacionalmente.

Veja Resolução na íntegra:

RESOLUÇÃO POLÍTICA DO PT DA PARAÍBA

 A Executiva Estadual do PT da Paraíba, reunida nesta data, por deliberação da Direção Nacional do partido, que conforme determina a Resolução Política de 17 de Maio de 2016 que:

“dado o conjunto de compromissos defendidos pelo PT ao longo de suas administrações públicas, é indispensável o esforço de diálogo com os partidos do campo democrático-popular e estendê-lo, caso a caso, a setores e partidos que, mesmo fora deste espectro, defendam conosco pontos programáticos para as eleições municipais. O PT não apoiará candidatos (as) que votaram e/ou apoiaram publicamente o impeachment.”

Ainda, por entender que o cenário e a conjuntura nacional terá forte influência nas eleições municipais de 2016, pois, como sabemos a votação final do golpe contra a democracia e o governo legitimamente eleito da presidenta Dilma, deverá acontecer durante o pleito municipal deste ano;

Também por entender que esta crise no país serviu para esclarecer definitivamente o mapa político brasileiro: hoje, podemos dizer que os partidos se dividem em três blocos específicos, entre conservadores e liberais, partidos de centro que vinham se acomodando no governo nos últimos anos e que assumiram seu caráter conservador e golpista no cenário nacional e por fim um bloco de partidos vinculados às lutas sociais e o campo progressista que de várias formas vêem defendendo a democracia e as conquistas do nosso povo;

Este desenho político terá forte influência nos municípios em especial nas eleições 2016;

DESTA FORMA ESTA EXECUTIVA ESTADUAL, ANALISANDO CASO A CASO AS ALIANÇAS NOS MUNCÍPIOS DA PARAÍBA, DETERMINA:

1 – VETAR o apoio do PT aos candidatos a Prefeito do PSDB, DEM, PPS e Solidariedade por entender que estes partidos fazem parte do bloco histórico de adversários do nosso projeto nacional e que desde o 4º Congresso Nacional do PT (instância máxima do partido) tais alianças estão vetadas. Assim, NÃO AUTORIZAMOS o apoio do PT a candidatos do PSDB nas cidades de: Areial, Boqueirão, Belém do Brejo do Cruz, Camalaú, Conceição, Marcação e Riachão do Bacamarte; do DEM nas cidades de Piancó, Riachão do Poço, São Bento, São Sebastião do Umbuzeiro e São Mamede e do SD na cidade de Juarez Távora;

2 – Ainda que nos municípios em que apoiamos candidatos a Prefeito do PMDB, um dos principais articuladores do golpe contra o nosso governo, depois de analisada a realidade política de cada cidade, entendemos a necessidade de conforme a Resolução da Direção Nacional, VETAR o apoio do PT nos seguintes casos, com as suas devidas justificativas:

Teixeira

Pela forte influência que a família MOTA tem no PMDB local. É publico que o Dep. Hugo Mota faz parte da chamada “tropa de choque” de Eduardo Cunha, sendo este grupo político um dos principais espaços de articulação contra o nosso governo e nosso projeto nacional.

Pedras de Fogo

Pela forte influência que o Dep. Manoel Júnior tem no PMDB local. Sendo inclusive a cidade de origem política do Deputado. Manoel Júnior é outro integrante da tropa de choque de Eduardo Cunha e tem se apresentado como um dos grandes adversários do PT no nosso estado e em nível nacional.

Cabedelo

O PMDB de Cabedelo tem fortes relações com figuras estaduais do partido que foram signatários e apoiadores do Golpe contra a Presidenta Dilma.

3 – Ainda, VETAR o apoio do PT a candidatura do PSC na cidade de Araçagi. E Orientar o Diretório Municipal a juntamente com a Direção Estadual proceder a melhor tática eleitoral para as eleições 2016 que fortaleça nosso projeto político Nacional e local;

4 - Que continuaremos a analisar e acompanhar as alianças políticas do PT nos municípios e juntamente com as direções locais discutiremos a construção de palanques vinculados a nossa história e projeto político. Caso qualquer outra cidade apresente possibilidade de apoio a candidatos que não tenham relação programática com nosso partido, esta Executiva Estadual deliberará contraria tal aliança;

5 – Nos municípios em que o PT não apresentar candidatos para as eleições majoritárias ou proporcionais, caberá a Executiva Estadual juntamente com os filiados nestas cidades à construção de candidaturas petistas nas eleições de 2016;

6 – O não cumprimento desta determinação por parte das instâncias municipais implicará nas sanções previstas em nosso Estatuto e Regulamentos do partido.

João Pessoa, 25 de Julho de 2016.

 

Relacionadas