sábado, 18 de novembro de 2017
Política
Compartilhar:

Corte no valor da verba de gabinete provoca reações divergentes entre deputados

Mislene Santos / 07 de abril de 2016
Foto: Arquivo
A decisão da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) de reduzir a Verba de Gabinete (Viap) dos deputados gerou reações diversas entre os parlamentares. Apesar de reconhecer que a Casa passa por um momento delicado economicamente, alguns parlamentares não gostaram do corte de R$ 15 mil em suas receitas. Alguns viram com bons olhos o corte, que irá gerá economia em tempos de crise, outros acreditam que isso afetará em cheio os servidores que atuam em seus gabinetes.

A deputada Camila Toscano (PSDB) disse que esse corte afeta diretamente as pessoas que prestam serviço ao seu mandato e que com a medida será abrigada a se adaptar a nova realidade financeira do seu gabinete. Segundo ela, a ação prejudicará e muito o seu trabalho.

“É um corte significativo, mas o presidente tem suas razões, a Mesa também e não vamos questionar, porque é ele (o presidente) que domina as contas da Casa, que sabe quanto pode gastar. Não cabe a mim questionar. Tenho que me adaptar a nova realidade da Casa e a nova realidade da economia brasileira”, declarou Camila Toscano.

O deputado Antônio Mineral (PSDB) também não gostou da medida da Mesa Diretora, mas reconheceu que necessária devido ao corte do Duodécimo da Casa. “É uma tristeza, porque quanto mais um político ganha, mas ele ajuda a população. É diferente de muitos que tem salários altos que quando vê uma pessoa necessitada vira as costas, não pega nem na mão. Com o político é diferente, o que ele tem sai distribuindo, principalmente, com os mais carentes”, afirmou o tucano.

Renato Gadelha (PSC) recebeu a notícia do corte da verba de gabinete com naturalidade. Segundo ele, isso é o reflexo do corte da receita da Casa e cedo ou tarde os deputados seriam atingidos.  “Acho que a Mesa tomou uma decisão acertada em diminuir alguns valores nos custos, mudamos o horário de trabalho para atender essa necessidade da Casa. Acho que a presidência e a Mesa agiram com bom senso em cortar algumas despesas, porque há uma necessidade premente em economizar nesse momento de crise”, ressaltou o deputado.

Já o deputado João Bosco Carneiro (PSL) acredita que o corte da verba de gabinete dos parlamentares foi necessário. “Nós temos que nos adequar a essa situação as atividade que vínhamos desenvolvendo com menos recurso. O corte trará um pouco de dificuldade, mas vamos fazer os ajustes para que com menos recurso a gente consiga fazer o que já estamos fazendo e até procurar aprimorar o nosso trabalho”, disse o parlamentar.

Os deputados recebiam R$ 40 mil para as despesas com o mandato e passarão a receber o valor de R$ 25 mil. Uma diminuição de 37,5% mensais nos gastos com o gabinete. A proposta foi de autoria da Mesa Diretora.

Relacionadas