Acesso

Paraíba
Compartilhar:

Pessoenses fazem malabarismo para sobreviver a enxurrada de aumentos nas contas

Maurílio Júnior / 27 de agosto de 2015
Foto: Maurílio Júnior
Depois do anúncio do reajuste na conta da energia para esta sexta-feira (28), de 10,79%, o preço do gás de cozinha também vai subir, a partir de setembro, de R$ 45 para, aproximadamente, R$ 50. O reajuste anual do GLP (gás liquefeito de petróleo) foi anunciado pelas distribuidoras de acordo com a direção do Sinregás Paraíba, que garante não ter repassado todos os custos das empresas para o percentual de reajuste.

LEIA MAIS: Pesando no bolso: depois da energia é a vez do gás de cozinha aumentar o preço em 11% 

Porém, esses não são os únicos reajustes com os quais os pessoenses e paraibanos em geral estão tendo que conviver. Desde o início do ano, a gasolina, a tarifa de ônibus e a água, que sofreu em janeiro, um reajuste de 9,96%, pesaram no bolso do consumidor.

Diante de mais um drama, a população tem sido obrigada a fazer literalmente um malabarismo para sobreviver aos altos custos do mercado. Para economizar na conta de água, uma alternativa, no mínimo, inusitada, foi revelada pelo vendedor de bananas do Mercado Central de João Pessoa, Gilberto Oliveira.

“Na minha casa sou eu e minha esposa e apesar de trabalharmos, tivemos que buscar alternativas para diminuir os custos. Resolvemos, por exemplo, reutilizar a água que tomamos banho através de uma bacia que fixamos no banheiro para utilizarmos na lavagem do piso entre outras saídas. Para economizar a energia substituímos o ventilador pelo ar natural das janela aberta”, disse.

Para o estudante Bruno Almeida, a medida encontrada para driblar a inflação foi diminuir os custos com alimentação fora de casa. “Comer fora, por exemplo, cortei. A estratégia foi passar a comer em casa ou levar uma marmitinha para o trabalho, inclusive meus pais também adotaram esta medida e, sempre economizando, devido o aumento no gás”, relatou.

Já a aposentada Maria José Gonçalves desabafou: precisou contar com a sorte para não fechar o mês com as contas no vermelho. “São muitas coisas caras. A batata na semana passada estava por R$ 2. Hoje, está por R$ 2,50. Sorte que o vendedor está fazendo por R$ 2 para mim. Algumas coisas dão até para levar, mas pelo salarinho que ganhamos e os preços dos produtos só aumentando, fica difícil”, desabafou a aposentada Maria José Gonçalves.

Relacionadas