sábado, 18 de novembro de 2017
Paraíba
Compartilhar:

Novo projeto gráfico marca os 62 anos de fundação do Jornal Correio da Paraíba

José Carlos dos Anjos / 05 de agosto de 2015
Foto: Divulgação
Visual mais limpo, com editoração que descomplica a leitura, textos mais concisos e diretos e o uso de mais imagens em fotos, infográficos, destaques e tabelas.  Com isso, o jornal Correio da Paraíba apresenta seu novo projeto gráfico que tem como objetivo facilitar o momento de leitura, tornando-o agradável e rápido, com elementos que conferem maior capacidade comparativa e entendimento do contexto.

“A preocupação central é sempre o leitor. Formatamos uma nova cara para o Correio, que esteticamente terá visual mais atraente e descomplicado. Mas as mudanças vão mais além porque atingem também o formato do conteúdo, que terá textos concisos sem perder a profundidade das nossas informações”, explica a editora-chefe Sony Lacerda.

A circulação do jornal em novo projeto gráfico começou na segunda-feira (3), quando foi às bancas a edição do caderno Esportes já dentro desse formato. Ontem, foi a vez o Caderno Cidades acompanhar a mudança e, hoje, todo o corpo do jornal migrou.

Oito meses

Entre a decisão de mudar e as primeiras reuniões administrativas que definiram esse caminho, até planejamento, treinamento e execução foram oito meses. O capitão do time nesse período foi o designer argentino Sergio Bilous.

“Pesquisei fontes para títulos e textos, introduzi elementos até então inexistentes no Correio e reforcei conceitos. A principal busca foi ‘limpar’o visual das páginas e usar mais elementos soltos (gráficos, tabelas, destaques, ilustrações) que podem, ao mesmo tempo, complementar e contar sua própria história”, explica Bilous.

Ele fala da chamada leitura não linear, onde qualquer elemento pode ser considerado como início de leitura: o próprio texto, o infográfico ou o destaque. No final tudo se junta e se complementa, mas cada um tem vida própria.

Treinamento

Mexer na distribuição espacial de texto e imagens, otimizando a linguagem visual, exige nova atitude na elaboração do texto: é preciso economizar nas palavras, sem perder a profundidade da informação. Então, todo o corpo editorial do impresso entrou em fase de capacitação para assumir com mais propriedade o projeto novo.

Sérgio Bilous, sob a supervisão de Sony Lacerda e em reuniões constantes de avaliação – que começaram há três meses e que continuarão – promove o treinamento de editores, diagramadores, repórteres e fotógrafos. “É um trabalho longo, em que passamos de uma cultura a outra no jeito de escrever, editar, fotografar e tratar imagens, titular, enfim, tudo o que diz respeito ao trabalho de produção do impresso”, complementa o designer.

Novos elementos

1 - O primeiro passo para descomplicar foi a indicação de cor para cada editoria. Desde a chamada de capa até o caderno em si o leitor identificará facilmente a qual editoria pertence a notícia, nota, artigo ou reportagem.

2 – Redesign da logomarca.

3 – Redesign de fontes para otimizar o espaço. A redução de ascendentes e descendentes promoveu a hierarquização da altura de ‘x’ (base da letra). Em suma, a base da letra aparece mais que as suas ascendentes, parecendo maior mesmo que usando um espaço menor.

4 – Mais infográficos para proporcionar melhor visualização de dados, seguindo a tendência do impresso que é o reforço do jornalismo de dados.

5 – Uso de mais frisos não deixam o leitor se confundir. Esse recurso delimita o espaço de cada assunto nas páginas, separando uns dos outros e estabelecendo uma leitura mais tranquila.

2015-08-05

Relacionadas