terça, 18 de dezembro de 2018
Paraíba
Compartilhar:

Fóssil encontrado em Sousa é único no mundo

Wênia Bandeira / 26 de julho de 2016
Foto: Saullo Dannyck
“Ao encontrá-lo, a princípio, não quis acreditar que fosse um osso encravado na rocha. Passou pelo meu pensamento diante daquele impacto emocional que Wênia Bandeira se tratasse de um osso de boi – qual boi qual nada!”. Foi assim que Luiz Carlos da Silva Gomes descreveu o momento em que encontrou o primeiro fóssil catalogado no Parque dos Dinossauros, em Sousa, no sertão da Paraíba. O fóssil encontrado em 2014, teve as pesquisas encerradas só agora e foi nomeado provisoriamente de Sousatitan. Ele é também uma descoberta paleontóloga por se tratar do primeiro da espécie achado no mundo. Aposentado do Banco do Nordeste, Luiz se autointitula “Caçador de dinossauro“, desde quando sua paixão pela área começou, em 1975. “Eu estava em São João do Rio do Peixe, quando encontrei a primeira pegada da minha vida, achando até que era um pé de galinha gigante”.

Nesta nova descoberta, ele percebeu que o osso era muito pequeno para ser de dinossauro, mas como estava em uma rocha não podia ser de boi. “Eu aprendi que tudo que é encontrado dentro de rochas é de dinossauros, diferente do que é encontrado dentro de areia”, explicou o pesquisador. “No momento não dispunha de nada para servir como comparativo de tamanho para colocar ao lado do fóssil para fotografá-lo. Então coloquei meus óculos. E assim fiz essa foto”.

A imagem foi postada na internet, que serviu como elo com a equipe de paleontólogos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), liderada por Aline Gilhardi. “Quando achei na internet, eu percebi os indícios que colocavam quase certeza de que se tratava de um osso de dinossauro, então nos encontramos em Sousa e fizemos todo o estudo”, disse Aline Gilhardi. Segundo ela, a pesquisa aconteceu no início do ano, mas precisou passar por toda uma catalogação e divulgação científica para então poder ser conhecida do grande público. O osso então foi levado para Pernambuco e, após os estudos, retornou ao sertão paraibano. Ele está exposto para visitação no Museu Vale dos Dinossauros.

Quem era Sousatitan. Segundo a paleontóloga, Sousatitan era um titanossauro, conhecido pelo longo pescoço que usa para buscar por folhagens para alimentação no alto das árvores e que viveu a cerca de 136 milhões de anos atrás. No entanto, o encontrado era um jovem com diferenças da espécie já catalogada. “Ele tinha em torno de 5 metros de comprimento, 1,60 metro de altura e poderia chegar a 10 metros, o que bate com as pegadas que encontramos no parque”, falou Aline.

Ela disse que se comparado a uma espécie nomeada de Argentinossauro, ele fica minúsculo. “Era a maior das espécies, com 30 metros de comprimento. Por isso ficamos na dúvida ser ele era anão ou muito jovem. Com os estudos, chegamos à conclusão que era jovem e que dobraria de tamanho”. “Não podemos dar nome conclusivo para não atrapalhar outras pesquisas que virão. Outros paleontólogos poderão encontrar algo parecido, mas que não se encontra na espécie que acreditamos, então preferimos ficar com este nome provisório”.

Relacionadas