sexta, 18 de agosto de 2017
Geral
Compartilhar:

Lei garantirá cinco empregos para cada veículo alternativo regulamentado na PB

Maurílio Júnior e Nice Almeida / 12 de agosto de 2015
Foto: ALPB
Cinco empregos para cada veículo regulamentado na Paraíba. Esse será o resultado da Lei 10.340 aprovada nessa terça-feira na Assembleia Legislativa, de acordo com dados do Sindicato dos Transportes Alternativos do Estado. No último levantamento feito pela entidade, em 2013, foram registrados cerca de cinco mil alternativos em todo Estado, incluindo os cadastrados e os não cadastrados.

LEIA MAIS: Assembleia Legislativa aprova alteração na Lei dos alternativos

O presidente do sindicato, Iramar Menezes, informou à reportagem do site do Jornal Correio da Paraíba que a estimativa é de que, em cada van regulamentada, atuem dois motoristas, dois cobradores e, pelo menos, um fiscal.

Essa geração de emprego e, consequentemente, de renda causou satisfação na categoria. Porém, o presidente do sindicato lembrou que aquelas pessoas que possuem outros empregos e usavam a atividade apenas como complementação salarial serão cortadas do novo cadastramento.

LEIA MAIS: Brechas: Lei dos alternativos não define valor de tarifas

“É uma felicidade muito grande, pois éramos rotulados por muitos de marginal. hoje passamos a ter identidade do transporte complementar. E ter a certeza que amanhã não seremos fiscalizados pelo ministério público de qualquer comarca, por estar transportando vidas, passageiros. Nós só fizemos melhorar o transporte da Paraíba, além de movimentarmos a geração de emprego e renda também no meio do empresariado de peças automotivas, mecânicos, postos de gasolina e outros segmentos”, comemorou Iramar Menezes de Sousa.

A nova lei estabelece que os veículos do transporte alternativo tenham capacidade mínima de 15 passageiros sentados e máxima de 21 passageiros. Com a aprovação da lei no plenário da ALPB em sessão extraordinária, a nova regra segue para sanção do Governador Ricardo Coutinho. A partir da data de publicação do mandatário estadual, os alternativos terão quatro anos para se organizar.

Relacionadas