quarta, 26 de setembro de 2018
Geral
Compartilhar:

Frentista passou informações para criminosos agirem contra empresário

Mislene Santos / 13 de julho de 2016
Foto: Assuero Lima
A Polícia Civil da Paraíba apresentou nesta quarta-feira (13), durante entrevista coletiva concedida na Central de Polícia, no Geisel, os acusados de terem participado da tentativa de latrocínio que culminou com a morte do empresário Marcone Morais, proprietário da rede de Postos Expressão, em João Pessoa. Um dos acusados, Luiz Pedro Barbosa de Pontes , era frentista de um dos postos de combustíveis da vítima. Ele foi preso na noite desta terça-feira (12) no momento em que chegava ao trabalho.

O delegado Aldrovilli Grisi informou que para se chegar ao funcionário do posto foi analisado um conjunto de provas que levaram a polícia a ter a certeza de que Luiz Pedro passou as informações da rotina do empresário e hora exata que ele chegaria à agência do Banco do Brasil do Bessa para realizar o depósito do dinheiro das sangrias dos caixas da rede de postos.

“Nós tínhamos a informação de que Pedro morava muito próximo dos outros executores. Quando nós conseguimos identificar os executores do crime e a forma como eles se relacionavam, juntamos toda essa grade de relacionamento pessoal e conseguirmos cruzar para uma única pessoa que seria o Pedro”, explicou Aldrovilli Grisi.

O delegado disse ainda que a Polícia Civil recebeu várias denúncias através do telefone 197 de que Pedro teria passado informações privilegiadas para os acusados.  “Então, a polícia não tem dúvidas, até porque ele mesmo confidenciou que teria sido coagido pelo Edgley ( morto pelo empresário durante a tentativa de latrocínio) a passar as informações, porque senão sua  família seria vítima de homicídio”, acrescentou Grisi.

Além de Luiz Pedro Barbosa, foram presos Lucas Vinicius Martins dos santos, mas conhecido como Luquinha e  Fabrício Cruz de Araújo, mas conhecido como Palhaço. Com eles foram aprendidos uma pistola.40, um revólver calibre 38, várias munições. Estes respondem por outros crimes.

Segundo a polícia, já havia um mandado de prisão contra Luquinha e contra ele pesam várias acusações de roubo, inclusive, contra a agência do Banco Bradesco da Torre, ocorrido no mês de maio deste ano.

A polícia descartou outras linhas de investigação que não seja a de tentativa de latrocínio e que outras pessoas podem ser presas no decorrer das investigações.  Dois acusados de participarem do crime estão foragidos.

Participação do crime

Luquinha – Agiu com mais três indivíduos: Edgley (morto) e mais dois que não foram identificados na abordagem de Marcone Morais.

Fabrício Cruz de Araújo, mas conhecido como palhaço, resgatou os autores do crime, logo após eles terem capotado veículo utilizado na ação criminosa.

Luiz Pedro Barbosa de Pontes – Passou as informações da rotina do empresário e qual o horário que ele chegaria ao banco para realizar o depósito de cerca de R$ 300 mil.

Relembre o caso

O empresário Marcone Morais, proprietário da rede de postos Expressão, em João Pessoa, morreu após reagir a uma tentativa de na tarde desta segunda-feira (11), no bairro do Bessa. Um dos suspeitos do crime também morreu no local.

O empresário  reagiu à abordagem e iniciou troca de tiros com os suspeitos. Um dos bandidos foi atingido pelos disparos e morreu na hora, enquanto o outro assaltante fugiu em um carro.

Marcone Morais foi socorrido para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, mas não resistiu aos ferimentos e morreu momentos após dar entrada na unidade de saúde


Relacionadas