domingo, 27 de maio de 2018
Geral
Compartilhar:

Confira o simulado Correio Concursos desta semana

Redação / 18 de Março de 2018
Foto: Ilustração Correio
Atenção: As questões de números 1 a 10 referem-se ao texto que segue.

 

Cidadania e igualdade

Mais do que em outras épocas da nossa história, o momento em que ingressamos num novo século exige a construção da cidadania e a implementação dos direitos humanos como tarefa de urgência. Realizá-la implica uma série de atitudes que envolvem, antes de mais nada, o indivíduo, o seu grupo, a comunidade e os diversos segmentos da sociedade. Impõe-se a cada pessoa o desafio de acreditar – ou voltar a acreditar, se perdeu tal crença – na possibilidade de uma sociedade justa e solidária, exercitando uma nova consciência crítica, conhecendo a realidade em suas várias nuances e mudando o que precisa ser mudado para uma vida melhor.

Ter consciência crítica significa também saber analisar, com realismo, as causas e os efeitos das situações que precisam ser enfrentadas, para, a partir dessa atitude, descobrir os melhores caminhos na busca da transformação social, política, econômica e cultural. Significa, do mesmo modo, abrir-se para as mudanças e capacitar-se, de todas as formas, para absorvê-las. Há hoje cada vez mais espaços para ações de parceria voltadas ao desenvolvimento sustentado e à realização dos direitos humanos.

O desafio apresenta-se de duas formas. De um lado, é preciso abrir-se para além dos círculos fechados em que as pessoas normalmente vivem, estimulando o respeito e a cooperação por uma sociedade com menores desigualdades, e de outro, para exercer o direito de cobrar das instituições do Estado a sua responsabilidade na preservação dos direitos humanos. O desafio essencial de cada um de nós é e sempre será fazer respeitar a nossa condição de ser humano vocacionado a uma vida digna e solidária.

O princípio de igualdade é a base da cidadania e fundamenta qualquer constituição democrática que se proponha a valorizar o cidadão. Não é diferente com a nossa. Na Constituição de 1988, o direito à igualdade destaca-se como tema prioritário logo em seu artigo 5o:

“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (...)”

(Guia Cidadania e Comunidade

1. A realização da “tarefa de urgência”, de que trata o primeiro parágrafo do texto, exige

(A) iniciativas enérgicas por parte do poder estatal.

(B) a defesa do convívio em círculos sociais restritos.

(C) uma nova reforma constitucional.

(D) uma alteração no fundamento da Constituição de 1988.

(E)) novas atitudes dos indivíduos e dos grupos sociais.

2. Considere as seguintes afirmações:

I. As "duas formas" de desafio de que trata o 3º parágrafo acentuam a importância do papel da iniciativa do Estado.

II. A frase Não é diferente com a nossa, no penúltimo parágrafo, lembra que o princípio da igualdade é básico também na Constituição brasileira.

III. O direito à igualdade, tratado no artigo 5º  da Constituição de 1988, é amplo em relação aos cidadãos brasileiros e restrito em relação a todos os demais.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em

(A) I, somente.

(B)) II, somente.

(C) I e II, somente.

(D) II e III, somente.

(E) I, II e III.

3. O texto manifesta a necessidade premente de se evitar

(A) uma análise realista das causas e efeitos das situações que precisam ser enfrentadas.

(B) a prática de cobrar de setores do Governo suas responsabilidades constitucionais.

(C)) a tendência de se viver no interior de círculos sociais fechados e estanques.

(D) a discriminação social, a não ser nos casos previstos no artigo citado da atual Constituição.

(E) qualquer desafio que diga respeito a mudança de atitude ou de hábitos tradicionais.

4. No contexto do 1° parágrafo, os elementos que constituem a enumeração o indivíduo, o seu grupo, a comunidade e os diversos segmentos sociais

(A) estão dispostos numa ordem casual e arbitrária.

(B) obedecem à seqüência lógica do mais geral para o mais particular.

(C) são todos eles alternativos e excludentes entre si.

(D)) estão dispostos numa progressão do particular para o geral.

(E) são todos eles sinônimos entre si.

5. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de uma frase do texto em:

(A) em suas várias nuances = em seus diversos aspectos.

(B) implementação dos direitos humanos = preservação da assistência humanitária.

(C) vocacionado a uma vida solidária = ambientado no regime da privacidade.

(D) tema prioritário = questão de alguma relevância.

(E) inviolabilidade do direito à vida = protelação da garantia de vida.

6. A frase Ter consciência crítica significa também saber analisar, com realismo, as causas e os efeitos das situações, que precisam ser enfrentadas articula o segundo ao primeiro parágrafo. Considerando-se essa articulação, a palavra também tem o sentido de

(A) ainda assim.

(B) apesar de tudo.

(C))além disso.

(D) sobretudo.

(E) antes de mais nada.

7. Está correta a grafia de todas as palavras do seguinte comentário sobre o texto:

(A) Uma das iniciativas encontornáveis da cidadania está em se ezercer a consciência crítica, aplicada aos fatos da realidade.

(B)) Recusando os privilégios dos que se habituaram a viver em grupos autônomos, o texto propõe o acesso de todos a todas as instâncias sociais.

(C) Ninguém deve se ezimir de cobrar do Estado a prezervação do princípio de igualdade como um direito básico da cidadania.

(D) Constitue dever de todos manter ou readquirir a crença em que seja possível a vijência social dos princípios da igualdade e da solidariedade.

(E) O que se atribue a um cidadão, como direito básico, deve constituir-se em direito básico de todos os cidadãos, indescriminadamente.

8. As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas na seguinte frase:

(A) É uma tolice imaginar-se que não se devam satisfações àqueles que não pertençam ao âmbito do nosso próprio grupo social.

(B) Não nos cabem, nos dias que correm, ignorar o fato de que novas atitudes são absolutamente necessárias a uma nova ordem social.

(C) A base da cidadania se firmam nos princípios que postulam a inviolabilidade dos direitos básicos de todo cidadão.

(D) Assim como nas dos outros países, encontram-se em nossa Constituição, em palavras que não deixam dúvida, o princípio democrático da igualdade.

(E) As duas formas em que se apresentam para nós o desafio de acreditar na igualdade são a abertura para os outros e a vigilância quanto às funções do Estado.

9. Transpondo-se para a voz passiva a frase O desafio essencial será fazer respeitar a nossa condição de ser humano, o segmento sublinhado será substituído por

(A) fazer com que respeitemos.

(B) fazermo-nos respeitados.

(C) ter feito respeitar.

(D)) fazer ser respeitada.

(E) fizermos respeitá-la.

10. Está clara e correta a redação da seguinte frase:

(A) Viver em círculos fechados é o que muita gente gosta apesar de serem pouco beneficiados em razão disto.

(B) Quando se obedece princípios de igualdade a cidadania de que todos almejamos torna-se não apenas provável quanto possível.

(C) É bem melhor gozar de um direito coletivamente do que cada um por si, o mesmo ocorrendo com os demais.

(D) Verifica-se hoje muitas ações de parceria, onde a meta é o desenvolvimento sustentado, além de ser voltado à realização dos direitos humanos.

(E)) Se há algumas razões para que se tenha deixado de crer na possibilidade de uma sociedade justa, há muitas mais para que se aceite o desafio de voltar a crer.

As questões de números 11 a 20 referem-se ao texto que segue:

A tirania da experiência

Acompanhei as dificuldades de um jovem que, ao terminar sua formação, saiu à procura de um emprego. Ele esbarrou em recusas que só os jovens recebem. Os entrevistadores apreciavam seu diploma, gostavam de sua apresentação e perguntavam: “Você tem experiência?”. Meu jovem amigo sentia-se num círculo vicioso: era rechaçado por falta de uma experiência que nunca poderia adquirir, pois não conseguia emprego justamente porque lhe faltava experiência.

Parece um pretexto para condenar os jovens a um salário simbólico. Eternos estagiários, eles seriam obrigados a trocar seu trabalho pelo “privilégio” de aprender o ofício. Mas não é só isso: nossa cultura, em princípio, venera a experiência. Salvo em momentos nostálgicos, duvidamos das sabedorias sagradas ou ancestrais. Preferimos confiar e acreditar nas coisas em que podemos colocar o dedo e o nariz. A autoridade, em suma, abandonou a tradição e veio para a experiência.

Se sou um adolescente, como afirmo minha liberdade? Sou obrigado a me aventurar em terrenos completamente novos. Para me esquivar da autoridade dos pais e dos adultos, tento fazer algo que não esteja no campo de experiências dos que me precederam. A novidade, a originalidade tornam-se verdadeiros valores, porque prometem libertar-me da experiência dos outros. Se fizer algo que ninguém nunca fez, quem poderia ditar minha conduta, dizendo-se sábio e experiente?      Recomendação aos pais de adolescentes: se, discutindo com seus filhos, você achar bom evocar a sabedoria que vem de sua experiência, seja humilde e modesto. Quanto mais você justificar sua autoridade pela experiência, tanto mais seu rebento estará a fim de aventurar-se por terrenos pouco ou nada mapeados.

(Contardo Calligaris, Folha de S. Paulo, 07/03/2002)

11. De acordo com o texto, para escapar à tirania da experiência um adolescente de hoje sente-se impelido a

(A) reconhecer a sabedoria antiga e sólida dos nossos ancestrais.

(B)) aventurar-se em situações inteiramente novas e originais.

(C) ratificar os valores culturais que nortearam a geração precedente.

(D) corresponder à expectativa dos entrevistadores das empresas.

(E) repisar os caminhos em que seus pais se sentiram livres.

12. Considere as seguintes afirmações:

I. As empresas se valem da pouca ou nenhuma experiência de um jovem para se aproveitarem de seu trabalho na precária condição de estagiário.

II. A responsabilidade pelo círculo vicioso a que o texto se refere deveria ser assumida pelos adolescentes, que não dão valor a nenhum tipo de experiência.

III. As dificuldades enfrentadas por um jovem que esteja buscando trabalho demonstram que está em baixa o prestígio da experiência.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em

(A) I, somente.

(B) II, somente.

(C) I e II, somente.

(D) II e III, somente.

(E) I, II e III.

13. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de uma expressão do texto em:

(A) rechaçado por falta de uma experiência  = absorvido pela inexperiência.

(B) eternos estagiários = aprendizes eventuais.

(C)) salvo em momentos nostálgicos = à exceção dos instantes de nostalgia.

(D) evocar a sabedoria = protelar o conhecimento.

(E) seu rebento estará a fim de aventurar-se = seu ímpeto o levará a ousadias.

14. Há palavras cuja grafia exige correção na frase:

(A) Incompreensivelmente, dá-se absoluta primazia à experiência, quando se trata do preenchimento de novas vagas.

(B) Pretextando a inexperiência dos jovens pretendentes a uma vaga, os empregadores lhes oferecem estágios, com pagamento irrisório.

(C) É lamentável que jovens com aptidão e vocação para o trabalho sejam rejeitados em nome de uma experiência a que não podem ter acesso.

(D) Diminui paulatinamente o número de novos empregos, o que obriga os jovens candidatos a se submeterem a exigências cada vez mais rigorosas.

(E)) É evidente o descazo com que o mercado de trabalho trata os recém-formados, frustrando assim suas legítimas pretenções.

15. Está correto o emprego da forma verbal sublinhada na frase:

(A) Ser jovem já não constitue vantagem, na luta por um emprego.

(B) Se o empregador não opor obstáculo ao jovem, este poderá ganhar experiência.

(C) As experiências que os pais reteram serão contestadas pelos filhos.

(D))A exigência de experiência anterior obstrui o caminho de muitos jovens.

(E) Quando se desfazerem de seus preconceitos, os empresários contratarão os jovens.

16. “Os jovens bem que tentam, mas não se dá aos jovens a oportunidade de um trabalho que recompense os jovens pelos esforços despendidos.“

Evita-se a repetição de palavras da frase acima substituindo-se os elementos sublinhados, respectivamente, pelas formas:

(A) se dá a aqueles - recompense eles

(B) se dá a eles - recompense-lhes

(C) se lhes dá - os recompense

(D) se os dá - os recompense

(E) se dá a eles - recompense eles

17. O verbo indicado entre parênteses adotará obrigatoriamente uma forma do plural ao se flexionar na seguinte frase:

(A) É irrisório o que nas empresas se (oferecer) aos jovens estagiários.

(B) Os terrenos novos nos quais (dever) se aventurar o jovem de hoje são seu grande desafio.

(C) Se não (haver) outras razões, a juventude e o entusiasmo deveriam bastar para se valorizar o jovem.

(D)) Como não se (valorizar), num jovem, as qualidades naturais da mocidade, ele sai prejudicado.

(E) Quanto aos adolescentes, nenhuma época lhes (parecer) tão injusta quanto a nossa.

18. Está correta a articulação entre os tempos verbais na frase:

(A) Seria preferível que os empregadores deem mais atenção aos jovens.

(B) Para que sua liberdade venha a ser afirmada, os jovens terão de experimentar novos caminhos.

(C) À medida que se vão confrontando com os valores dos pais, os filhos tinham sentido a necessidade de afirmar os seus próprios.

(D) Espera-se que a futura geração não vá enfrentar as mesmas dificuldades que se imporiam à geração passada.

(E) Talvez nunca se tenha desprestigiado tanto a sabedoria dos ancestrais quanto viesse a ocorrer a em nossa época.

19. Está correto o emprego da expressão sublinhada na frase:

(A) Os bons salários a que os jovens aspiram são cada vez mais improváveis.

(B) É mínimo o salário no qual os empresários julgam retribuir o esforço dos estagiários.

(C) O assunto de cujo se trata no texto diz respeito às exigências que se colocam aos jovens.

(D) São desafiadores os novos terrenos com que os jovens se prontificam a explorar.

(E) Seria preciso de que se oferecessem oportunidades reais aos jovens pretendentes a um emprego.

20. Está bem observada a necessidade dos sinais de crase na seguinte frase:

(A) Quando os filhos passam à interpelar os valores de seus pais, consideram-se aptos à afirmar os seus próprios.

(B) O jovem fica à uma distância cada vez maior das poucas oportunidades que ainda estão à lhes oferecer.

(C) Daqui à pouco vão dizer que são os jovens os principais responsáveis pelo círculo vicioso à que o texto se refere.

(D) Apresentam-se, à toda vaga oferecida, candidatos dispostos à disputá-la da forma mais aguerrida.

(E)) Não se notam, à medida que o tempo passa, avanços significativos nas condições de trabalho oferecidas à juventude.

 

Relacionadas