terça, 13 de novembro de 2018
Eleições 2018
Compartilhar:

Partidos da Paraíba estão nivelados e MDB pode sair das eleições enfraquecido

Adelson Barbosa dos Santos / 18 de março de 2018
Foto: Arquivo
Dentre os grandes partidos do País, o MDB já foi o de maior representatividade na Assembleia e na bancada federal da Paraíba. Hoje, é um partido no mesmo nível dos outros 15 que elegeram deputados estaduais em 2014. E pode sair das eleições de outubro mais enfraquecido. Motivo? A debandada dos parlamentares.

Hoje, o MDB tem o mesmo peso, em termos de representatividade na Assembleia, que o Avante. O MDB também está do mesmo tamanho do Progressistas, que tem dois deputados estaduais- Galego de Sousa e Daniella Ribeiro- e Aguinaldo Ribeiro na Câmara.

Aquele que já foi o maior partido da Paraíba perdeu o posto para o PSB. Pelo menos na Assembleia, o partido do governador Ricardo Coutinho tem oito deputados. O MDB só não está no fundo do poço porque tem dois senadores: José Maranhão e Raimundo Lira. Maranhão, pré-candidato a governador, terá a missão de recuperar a força partidária.

Promete colocar a estrutura da legenda para retomar a bancada perdida na Câmara e a representação na Assembleia e trabalha para ganhar o Governo. O PSDB está no mesmo barco. Tem um deputado federal- Pedro Cunha Lima-, que fala em deixar a legenda. O PSDB não está em pior situação porque tem o senador Cássio. Mesmo assim, os tucanos estão no mesmo nível do PSC, que tem dois deputados: Arnaldo Monteiro e Renato Gadelha.

Em 1982, nas primeiras eleições diretas para governador, após 18 anos de ditadura, o então PMDB elegeu uma bancada forte para a Câmara e se fortaleceu na Assembleia da Paraíba. Foram eleitos cinco deputados federais e 14 estaduais. O PDS, que se originou da Arena, elegeu sete federais e 23 estaduais. Ao todo, na época, a Paraíba tinha 37 assentos na Assembleia.

Vão sair?

O PSDB tem quatro estaduais. Dois dos quais admitem deixar o ninho: Bruno e Mineral.

Onze estaduais em 1978

Em 1978, o então MDB tinha conquistado quatro federais e 11 estaduais. A Arena, ficou com sete federais, numa bancada de 11, e 22 dos 33 estaduais. A partir de 1982, o já PMDB foi ampliando os espaços. Em 1986, elegeu sete federais.

O PFL, oriundo da Arena e do PDS, conquistou quatro vagas. Para a Assembleia, as vagas ficaram assim distribuídas: 17 para o PMDB, 10 para o PFL e nove para o PRP. Com o passar do tempo, foram surgindo novos partidos e as vagas dos três grandes- PMDB, PFL e PRP- foram diminuindo. Mas o PMDB permanecia firme, na liderança.

Em 1990, o PMDB só conseguiu eleger quatro federais. O PDT entrou no cenário e ficou com três vagas, o PDS ficou com duas e o PFL, com três. Para estadual, novos partidos entraram em cena. O PDS conquistou nove cadeiras, o PFL ficou com mais nove.

PMDB e PDT conquistaram oito, cada. PT e PC do B elegeram um, cada. Em 1994, o PMDB voltou a se fortalecer. Elegeu sete federais e 19 estaduais. O PFL conquistou três vagas na Câmara e cinco na Assembleia. O PDT mandou um deputado para Brasília e sete para a Assembleia. O PRP elegeu um federal. O PT ganhou três cadeiras na Assembleia. O PP e o PV conquistaram uma, cada.

Em 1998, o PMDB elegeu cinco federais e 18 estaduais. O PSDB ficou com um federal, assim como o PTB, PT e PPB. O PFL ficou com três.Para estadual, as demais vagas ficaram assim distribuídas em 1998: PDT (duas), PFL (cinco), PPB (uma), PSDB (cinco), PSL (uma), PT (três) e PV (uma).

2006: PSDB chegou perto na AL

Quatro anos depois, em 2006, o PMDB conquistou dez assentos na Assembleia e três na Câmara. O PDSB ficou com nove na Assembleia e três na Câmara. O PFL conquistou seis na Assembleia e uma na Câmara.

O PSB ganhou três deputados estaduais e dois federais. O PT elegeu dois estaduais e um federal. O PL ficou com dois federais. O PDT e o PPS conquistaram duas vagas, cada, na Assembleia.

O PP e o PTB ficaram com uma, cada. Em 2010, o PMDB aumentou as vagas na Câmara de três para cinco. Mandou para lá Manoel Junior, Wilson Filho, Benjamin Maranhão, Hugo Motta e Nilda Gondim. O DEM mandou Efraim Filho.

Em 2010, o PDT elegeu Damião Feliciano. O PP e o PR elegeram Aguinaldo Ribeiro e Wellington Roberto. O PSDB mandou Ruy Carneiro e Romero Rodrigues. E o PT, Luiz Couto.

Para estadual, o PMDB elegeu em 2010 nove estaduais. O DEM elegeu cinco. O PDT, PP e PR elegeram um, cada. O PPS elegeu dois. O PSB ficou com três e o PSC com três. O PSDB, conquistou três, mesma quantidade do PT. O PSL elegeu dois, PTN dois e PTB, um. Hoje, de novo MDB, o partido está em vias de se ficar sem representação no Parlamento.

Em 2014, mandou três deputados para a Câmara- Hugo Motta, Manoel Júnior e Veneziano Vital do Rêgo. Já perdeu três. O PDT elegeu Damião Feliciano.

O Solidariedade elegeu Benjamin Maranhão. O DEM repetiu Efraim Filho, assim como o PP e o PR reelegeram Aguinaldo Ribeiro e Wellington Roberto.

Quadro está todo alterado

Para a Assembleia, o MDB elegeu em 2014 quatro deputados: Nabor Wanderley, Raniery Paulino, Gervásio Maia e Trócolli Junior. Perdeu Gervásio e Trócolli há quase dois anos. Agora, perdeu Nabor. Ainda conta com Raniery e Jullys Roberto, originário do PEN.

O PSDB elegeu quatro: Camila Toscano, Dinaldinho, Bruno Cunha Lima e Tovar correia Lima. O PSB elegeu cinco: Jeová Campos, Estela Bezerra, Buba Germano Adriano Galdino e Ricardo Barbosa. O PSC elegeu dois: Arnaldo Monteiro e Renato Gadelha. O PSD elegeu Manoel Ludgério e João Gonçalves. O PSL elegeu Tião Gomes. O PT do B elegeu Genival Matias e Inácio Falcão. O PTN conquistou uma cadeira com Janduhy Carneiro. O PT conquistou as cadeiras de Frei Anastácio e Anísio Maia. O PR elegeu caio Roberto.

O DEM elegeu João Henrique e Lindolfo Pires. A cadeira do PC do B, ficou com Zé Paulo. As quatro do PEN ficaram com Edmilson Soares, Branco Mendes, Ricardo Marcelo e José Aldemir Meireles, hoje prefeito de Cajazeiras.

As duas vagas do PP ficaram com Galego de Sousa e Daniella Ribeiro. E a do PRB ficou com Jutay Menezes. A cadeira do PR ficou com Caio Roberto. E Doda de Tião foi eleito pelo PTB.

O quadro de 2014 está totalmente desconfigurado. O PEN, por exemplo, perdeu todos. O PC do B também perdeu Zé Paulo, que se filou ao PSB do governador Ricardo.

O MDB perdeu Trócolli, que está à espera de uma orientação do governador. O DEM perdeu Lindolfo e vai perder João Henrique nos próximos dias.

 

Relacionadas