sábado, 17 de fevereiro de 2018
Tecnologia
Compartilhar:

Tecnologia da Informação é o trabalho do futuro

Alyf Santos com assessoria / 13 de agosto de 2016
Foto: Divulgação
Quando falamos na área de tecnologia, pensamos em um mercado abrangente. E quem estiver se preparando para ingressar no ramo, está no caminho certo, porque o setor está sobrando vagas.  Estudo realizado pelo The Network Skills in Latin America, encomendado pela Cisco à IDC, revela que o Brasil teve um déficit de 195 mil profissionais capacitados e empregados em tempo integral na área, um número que deve diminuir em apenas 16 mil até 2019.

Esses números representam uma lacuna de 41% em 2015 e 35% em 2019, respectivamente. Pelo menos 59% da lacuna, em 2019, deverão ocorrer em tecnologias emergentes.

E os salários variam de R$ 1,4 mil até R$ 8,8 mil. O valor da remuneração por este tipo de trabalho chega, em média, a R$ 1.483,00 o técnico, R$ 2.400,00 o analista e R$ 8.855,00, o gerente.

Segundo o gerente geral da Microlins João Pessoa, Pedro Felipe, os resultados da pesquisa não são preocupantes, pelo contrário, a sobra de vagas demonstra a oportunidade para as pessoas terem sucesso ao mundo da virtual. “Quando falamos em área de tecnologia, é um mercado muito abrangente. São incontáveis as áreas que existem hoje tanto em oportunidades de emprego quanto de cursos”, informou Pedro, assegurando que toda empresa precisa da área de tecnologia para mostrar os seus serviços.

As redes sociais têm representado novos desafios para os profissionais capacitados no desenvolvimento e gerenciamento dessa digitalização. “Estamos em momento eleitoral, onde profissionais que dominam conhecimento e habilidades de criação de peças publicitárias, operação de anúncios em redes sociais, design gráfico podem e vão ganhar muito dinheiro se souberem explorar bem suas habilidades”, disse Pedro Felipe.

Para a estudante de TI, Jaqueline Silva, os atuais avanços tecnológicos fizeram com ela que ingressasse neste ramo. “Sabe-se que trabalhar com a tecnologia é um sonho de qualquer profissional apaixonado por novidade, pois a cada dia que passa é um aparelho novo sendo lançado no mercado sabe que é uma área desafiadora, mas é uma etapa importante”, comentou, acrescentando que trabalhar nessa área é preciso dedicação e investimento em si mesmo.

Lacuna crescerá

Por causa do tamanho da economia brasileira, o país continuará demandando profissionais de redes e não será capaz de fechar a lacuna no período de estudo. O elevado potencial do mercado interno gera a crescente demanda por serviços em todos os segmentos, especialmente em empresas de médio porte. Muitas empresas de serviços de data center definiram suas operações no país, devido às tarifas elevadas sobre mercadorias importadas e normas legais na nuvem para a permanência física das informações no Brasil. Segundo o estudo da IDC, isso impulsionou a demanda adicional por profissionais, ampliando a lacuna de habilidades.

Na América Latina

O estudo mostra também uma compreensão mais madura da rede nas empresas no Brasil. Ao menos 45% das empresas vê a rede como a plataforma que sustenta processos de negócios, um valor mais alto do que a média de 37% da América Latina. Além disso, o investimento em novas tecnologias emergentes no Brasil é considerável, 38% das empresas irá investir em projetos de IoT no curto prazo, mais do que qualquer outro país na América Latina. Todos esses fatores contribuem para dificultar a contratação de profissionais de redes com o conjunto adequado de habilidades.

Metodologia da Pesquisa

A IDC realizou 760 entrevistas em oito países da América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, México, Peru e Venezuela. As entrevistas foram segmentadas por indústrias verticais e tamanho dos segmentos: governo, saúde, educação, telecomunicações, serviços financeiros, manufatura, varejo/ atacado, mídia / transmissão e editoras, viagem, transporte e distribuição, recursos e serviços em empresas com mais de 100 empregados.

Os entrevistados foram selecionados com base em sua responsabilidade em infraestrutura de rede e gestão de profissionais envolvendo concepção de rede, operação & manutenção, implantação e suporte.

As entrevistas foram realizadas na língua nativa dos participantes (espanhol e português). Para estimar a lacuna em habilidades de rede, a IDC projetou um modelo que considerou ambas as práticas de investigação em curso da IDC em torno de tecnologias de rede e de tecnologias de informação, bem como fontes de dados com os resultados das entrevistas para fornecer e contar com uma visão precisa da oferta e da procura de competências.

Relacionadas