quinta, 19 de julho de 2018
Teatro
Compartilhar:

Heloísa Perissé e seu monólogo no Teatro Paulo Pontes em JP

Clóvis Roberto / 15 de abril de 2016
Foto: Divulgação
A primeira comédia solo escrita e encenada pela atriz Heloísa Perissé chega hoje aos palcos paraibanos. “E foram quase felizes para sempre” será encenada hoje e amanhã no Teatro Paulo Pontes, do Espaço Cultural. Além de ser a autora do texto, a artista embarca na aventura inédita que encenar um monólogo, depois de 10 anos em cartaz com a peça “Cócegas”.

A trama quando a escritora Letícia Amado, na noite de autógrafos do seu livro “Cantinho pra Dois”, publicado após um ano e meio de viagem que traz os melhores resorts, praias e hotéis para a lua de mel perfeita, ela ver o seu ex-marido, Paulo Vítor, beijar uma nova namorada.

A separação do marido ocorreu justamente durante a pesquisa para o livro. E agora? O livro prometendo ser um sucesso retumbante e Letícia Amado solteira novamente! Ela não vai nem poder usar o próprio livro que escreveu.

É nesse cenário que Heloisa Perissé, ou melhor, Letícia Amado (agora sem amor) vai fazer um “desabafo”. Ela confessa que sempre teve um relacionamento muito conturbado com o ex-marido Paulo Vitor, relatando suas desventuras no casamento. Apesar de parecer um drama, o texto apresentará a situação da personagem com muito humor.

Dirigida por Susana Garcia, a peça “E foram quase felizes para sempre” traz a Heloisa Périssé também como autora. Desta vez, ela mergulha sobre relacionamentos, trabalho, problemas que estão presentes na vida de todas as pessoas. Com bom humor e atualidade, a atriz aborda no texto da peça a instituição casamento, provocando uma identificação imediata nos casais, sejam eles bem ou mal sucedidos no relacionamento.

Em cena em “E foram quase felizes para sempre”, Heloisa Perissé demonstra amadurecimento como atriz, que é capaz de produzir um texto teatral, transportando para o palco histórias que podem ser de muitas mulheres e de muitos relacionamentos. Na produção textual, ela usou a própria experiência, assim como de amigas e de outros relacionamentos que tomou conhecimento.

Heloisa Perissé revela que inicialmente ao escrever o texto achava que era para as mulheres, mas percebeu, depois, que a identificação também ocorre com os homens.

Além disso, o humor, que permeia o texto, torna todos os assuntos abordados mais prazerosos, facilitando a sua compreensão pelas pessoas de forma eficaz.

“E foram quase felizes para sempre”

Monóloogo com Heloisa Perissé e direção de Susana Garcia

Sessões, Hoje e amanhã, às 20h.

No Teatro Paulo Pontes (Espaço Cultural José Lins do Rego)

Ingresssos: R$ 45 (meia) e R$ 90 (inteira).

Venda antecipada: Loja Skyler do Manaíra Shopping (2106-6504)

Leia Mais

Relacionadas