segunda, 21 de agosto de 2017
Cultura
Compartilhar:

Rolou uma química na conversa de Lenine com o CORREIO sobre ‘Carbono’

Kubitschek Pinheiro / 10 de julho de 2015
Foto: Divulgação
O novo álbum de Lenine, Carbono, é seu sexto. “Olha, mas somando os feitos para trilhas e projetos separados, dá 12 discos, eu conto por aí”, diz ele no inicio da conversa pelo telefone com o CORREIO, ontem.

“Carbono foi feito para tocar a alma, para chegar mais perto. É um tentativa, é uma solução, é um desejo, uma vontade e a gente chegando e tocando para ouvidos bons”, anuncia. O título soa antigo, mas não é estranho: é um elemento químico que está na cabeça de Lenine, que estudou três anos de Engenharia Química na Unipcap, em Pernambuco. Desde lá ele se apaixonou por essa palavra.

“Eu sou um colecionador de palavras. ‘Carbono’ está em mim. Tem totalmente a ver esse nome com o disco e, ouvindo, você vai descobrir em seis canções palavras relacionadas a química”, revela.

Como se diz por aí: uma coisa liga à outra. Do lápis grafite ao diamante e agora uma canção. A citação está na quinta faixa, “A causa e o pé”, que ele assina com o filho João Cavalcanti: “Do ser ao pó, é só carbono”. E por aí vão as moléculas que viram palavras que Lenine coleciona e vamos nos deparar com “Grafite Diamante”, a faixa que ele assina com Marco Polo.

Para se ter uma ideia da velocidade desse disco, o artista pensou, produziu e gravou em apenas dois meses, de janeiro a março deste ano. “Tudo estava na minha cabeça e fui juntando as parcerias”. Nação Zumbi, Carlos Posada, Vinicius Calderoni, Pupillo, Dengue, Lucio Maia e Jorge du Peixe, seu filho João Cavalcanti, Marco Polo, Vinícius Calderoni, Carlos Rennó, Lula Queiroga e Dudu Falcão participam do disco. Com a Martin Fondse Orchestra, de Amsterdã, a parceria foi por Skype.

Carbono foi gravado entre Rio, São Paulo, Salvador e Holanda e traz elementos nordestinos, raízes fincadas na alma do artista. E é uma declaração de amor ao CD, como produto. “É o objeto de desejo, o CD na mão, o encarte. Eu gosto muito”, diz.

Relacionadas