domingo, 20 de agosto de 2017
Cultura
Compartilhar:

Projeto de Sandra Moura entra no livro ‘Arquitetura Brasileira’

Kubitschek Pinheiro / 26 de agosto de 2015
Foto: Joana França/Divulgação
Nesta quarta-feira, às 19h, na Livraria Cultura no Paço Alfandega do Recife numa noite onde talentos nacionais se encontram, o programa de relacionamento Criar Portobello lança a 4ª edição do livro Arquitetura Brasileira, com o escritório da arquiteta Sandra Moura, de João Pessoa, entre os destaques.

O livro é focado em projetos modernos espalhados pelo Brasil.  Sandra Moura aparece com o projeto do restaurante Nau em Brasília, que se misturou com os desenhos de Oscar Niemayer e Lúcio Costa.

“O restaurante Nau Brasília, ao chegar à cidade, lançou suas âncoras na margem do Lago Paranoá, com faces externas de aço corten, combinando com o concreto aparente, especificado por ser referência na arquitetura institucional da cidade”, explica ela, cujo escritório é um dos quatro do Nordeste que estão no livro.

Para a arquiteta, trabalhar com projetos que representam a cultura e o potencial do desenho é um grande senso de responsabilidade.

“É preciso ser capaz de transbordar conhecimento, práticas, ideias e estar sempre num processo de transformação, dar vitalidade ao que já possuímos”, recomenda ela. “Precisamos ter uma insatisfação positiva, desejando sempre mais e melhor!”.

Segundo Sandra, a Portobello da Paraíba, que tem à frente o casal Valdelice Campelo e Eneas, estão sempre muito envolvidos com os projetos dos profissionais e isso é um impulso a mais.

“Eles buscam inovação, implantação de novas tecnologias aos produtos e acompanham o processo de construção. Eu agradeço”.

De certa forma não existe nenhuma surpresa no crescimento e reconhecimento do trabalho da arquiteta Sandra Moura. Suas obras são imagens da beleza e da simplicidade, que lembram a anatomia humana em movimento. Ao passear por João Pessoa vamos nos deparar com sua marca em vários pontos da cidade, sejam edificações, estabelecimentos comerciais ou casas.

“Acredito no legado de uma história, todos nós temos uma missão a cumprir na Terra e estar entre grandes nomes da arquitetura nos deixa a certeza de que estamos trilhando o caminho certo. O percurso é longo, os desafios são imensos e a busca é incessante por novos caminhos sustentáveis. Pois mudar é complicado, mas permanecer é perecível”, analisa. “Não podemos ter a satisfação por completo, isto é perigoso, precisamos desenvolver uma insatisfação permanente com o desejo vital de procurar novas práticas, novos caminhos! Esse é o nosso trabalho, que está no olhar contemporâneo!”.

A renda da quarta edição de Arquitetura Brasileira será destinada para a Associação dos Pais e Amigos Excepcionais (Apae) do bairro carioca da Tijuca. Sandra já trabalha com obras do Hospital Laureano de João Pessoa.

“Somos responsáveis por tudo o que conquistamos, fazer a diferença na vida destas pessoas, nos dar certeza de que vale a pena todo esforço alcançado, na condução da nossa profissão e será sempre uma reivindicação e oferta de vida”, afirma. “Arquitetura também é sensível às causas sociais. Que proponha segurança e acolhimento em espaços onde possam fluir livres, afetividade e proteção. Sinto-me feliz em fazer da minha profissão uma ponte por uma vida melhor para quem tem urgência de viver”.

Novidades? “Estou investindo em novos caminhos mais sustentáveis que nos levem a proporcionar benefícios na forma de conforto, funcionalidade e qualidade de vida. Sem comprometer presente e futuro, gerando o mínimo possível de impacto no meio ambiente, alcançando o máximo possível de autonomia”.

Leia mais na edição de hoje do Jornal Correio da Paraíba. 

Relacionadas