segunda, 11 de dezembro de 2017
Música
Compartilhar:

Ivan Lins e Toquinho fazem shows em CG e JP neste fim de semana

André Luiz Maia / 07 de dezembro de 2017
Foto: Divulgação
Doses nada homeopáticas de MPB estão reservadas aos paraibanos nesta sexta-feira (7) e sábado (8). Em Campina Grande, nesta sexta (7), Ivan Lins retorna após 25 anos para uma apresentação ao vivo no Teatro Facisa, em um show que traz seus grandes sucessos. Já em João Pessoa, nesse sábado (8), Toquinho convida o mesmo Ivan Lins e o grupo MPB-4 para celebrar os 50 anos de sua carreira em única apresentação no Teatro Pedra do Reino.

No caso de Ivan Lins, já são mais de cinco décadas de carreira, com sucessos que se tornaram clássicos da música popular brasileira. O público deverá cantar junto canções como "Bandeira do divino", "Dinorah, Dinorah", "Começar de novo", "Novo tempo", "Lembra de mim" e tantas outras que estão no imaginário dos brasileiros, principalmente por conta das inserções de suas músicas nas trilhas de telenovelas.

Retornando de uma turnê que passou por Ásia, Europa e América do Norte, ele reencontra seus fãs de Campina Grande depois de uma longa ausência. Seu último show na cidade foi em 1992.

"É uma diferença imensa. Depois do meu último espetáculo em Campina Grande, eu compus mais sucessos, que tocaram nas trilhas de novelas. Então será a oportunidade de cantá-las ao vivo pela primeira vez para esse público. Claro que os sucessos mais antigos também estarão no repertório, além de coisas mais recentes, como do álbum América, Brasil, lançado em 2015", comenta o artista, ao CORREIO.

Mas suas conexões com Campina Grande continuaram se dando de outra forma. No ano passado, ele fez uma parceria com o campinense Luis Kiari, "Ainda é cedo", presente no disco Três, a estreia fonográfica do cantor e compositor responsável por canções do repertório de Maria Gadú.

Ivan costuma acompanhar o trabalho de artistas novos, que também o procuram para pedir conselhos e orientações na carreira.Com Luis não foi diferente. Inicialmente, eles começaram a conversar por e-mail.

"Eu mandei para ele um trecho de uma letra que estava fazendo contra a homofobia, porque o Brasil é muito violento para os homossexuais e isso tem que acabar, pois todos temos direito de ser felizes. Ela estava incompleta, Luis fez o resto e gravamos juntos. Considero Luis um dos compositores mais importantes dessa geração. Belas composições, músicas de muito boa qualidade. Creio que ele fará muito sucesso", comenta.

Partilha. Na sexta-feira, Ivan Lins se junta a Toquinho e MPB-4. Apesar de parecer uma grande comemoração à carreira de Toquinho (e realmente é), ele divide o palco com seus parceiros com bastante generosidade.

O grupo vocal abre o show, depois entra Toquinho, que toca junto com o quarteto formado por Dalmo Medeiros, Paulo Malaguti, Aquiles e Miltinho. Na sequência, um momento solo com Toquinho, que logo chama Ivan para compartilhar canções e também brilhar sozinho. Ao final do espetáculo, todos se juntam para números em grupo.

"Minhas apresentações com o MPB-4 começaram antes de meus shows com o Ivan Lins. Depois percebi que poderia juntar todos no palco pela sincronia musical que nos caracteriza. E resultou num show cuja dinâmica melódica se completa pelo bom humor alicerçado na longa amizade que nos une", comenta Toquinho ao CORREIO.

Os quatro músicos do MPB4 e Ivan não são os únicos parceiros no palco. Há um quinto elemento que se une a Toquinho, seu inseparável violão. Ele nos conta um pouco do que o instrumento representa para sua vida.

"O violão é a base de minha carreira musical. Tornou-se meu companheiro de todas as horas, representa o dinamismo de minha inspiração. Estudo todos os dias, aprimorando-me cada vez mais. Além disso, é meu psicólogo, a alavanca que me alça para novos objetivos. É a extensão de meus braços, a complementação de meu corpo inteiro", completa.

Relacionadas