quinta, 20 de setembro de 2018
Música
Compartilhar:

Com o samba na alma, Denise Mattos comemora 20 anos de carreira com novo CD

Kubitschek Pinheiro / 21 de abril de 2016
Foto: Divulgação
A sambista carioca Denise Mattos, que também é compositora e bailarina, apresenta seu novo CD “É Samba”, celebrando os 20 anos de carreira da artista. O seu primeiro álbum de forma independente saiu em 1998 e ela já apostava no samba. O novo CD chega para marcar com composições de Arlindo Cruz, Neném Chama, Xande de Pilares, Marquinhos PQD e André Renato, entre outros.

Em entrevista ao CORREIO, a artista celebra esse novo trabalho dizendo que o samba está nela. “Rapaz, o samba é fruto da nossa raiz, meu trabalho cresceu e agora mostro algo novo”.

Ela abre o CD cantando “Mãe Natureza” de Santana e Ricardo Simpatia. A letra sai em defesa da natureza com citações aos mares, rios, cuja letra indaga com um grito de dor. “Essa canção é forte e dá o tom de protesto e me deixa atenta”, revela.

A história de Denise Mattos vem de longe. Seu talento para a música vem da dança. Lá atrás, em Valença, no Rio de Janeiro, quando subiu ao palco para substituir uma vocalista de uma banda que faria show na cidade. Ela conta: “Eu era bailarina e estava indo com o corpo de balé para se apresentar e, no trajeto cantei algumas músicas do repertório de Alcione. Chegando lá, no Bangu Clube, depois que nos apresentamos com o balé, uma banda seria a próxima atração, a vocalista faltou e fui chamada para substituir e cantei, dei conta do recado”, disse ela rindo.

Ela vem de uma família de uma família de músicos. É sobrinha do compositor Pereira Mattos que assina com Zé Ketti a clássica marchinha de carnaval “Máscara Negra”. “Não cheguei a conhecer meu tio, mas isso me honra muito, além de vários primos que tocam guitarras e violões. Meu pai Doralino de Carvalho era famoso no Rio, um dançarino oficial. Ele era, na época, o Carlinhos de Jesus de hoje, dançava muito bem e era aplaudido por onde passava. Isso também está em mim, no meu cantar”.

No início de sua carreira, Denise Mattos participou de vários concursos de música como o festival da UERJ em 1992, no qual tirou o primeiro lugar como intérprete e ficou em segundo como melhor música, com o samba “Bahia de São Salvador” de Jorge Pacheco e dela.

Em “É samba”, Denise Mattos” canta duas canções de Arlindo Cruz com parceiros: “Feito champanhe” e “”Teu M eu trago na mão”.” Gosto muito de Arlindo e das suas letras. Fui professora de balé de Baby Cruz, a mulher dele. Arlindo tem me ajudado em minha carreira e meu sonho é gravar um CD com ele e Zeca Pagodinho”, avisa.

Denise não perde uma roda de samba, seja nas casas de espetáculos da Zona Oeste - incluindo a quadra da Mocidade Independente de Padre Miguel, sua escola de samba de coração. “Sim a Padre Miguel abriu caminhos, quando eu comecei a trabalhar com Mestre André3, que já faleceu. Mas sou também Imperatriz, nasci na Penha”.

Relacionadas