segunda, 16 de julho de 2018
Literatura
Compartilhar:

‘Star Talk’ é a versão em livro do talk show de Neil deGrasse Tyson

Renato Félix / 30 de maio de 2018
Foto: Divulgação
Ciência precisa de tipos carismáticos para que possa ser difundida além do próprio círculo científico.E ningupem mais do que o astrofísico nova-iorquino Neil deGrasse Tyson tem assumido essa função nos últimos anos. Dando origem a memes populares, apresentando uma nova versão da série Cosmos ou ancorando seu talk show Star Talk no rádio e na televisão. Pois Star Talk deu origem a um livro que segue a mesma filosofia: conversar sobre diversos aspectos da ciência de um modo claro e divertido.

A fórmula é semelhante ao que revistas como a Superinteressante, Galileu e Mundo Estranho fazem em suas seções: perguntas e respostas. Dividido em quatro partes (Espaço; Planeta Terra; Sendo Humano; e Futuros Imaginados), os capítulos já formulam questões, muitas vezes inusitadas (“O que devo levar na mala para Marte?”; “O sexo no espaço é a verdadeira fronteira final?”; “Se evoluímos dos macacos, por que ainda há macacos?"; “Por que soamos bem cantando no chuveiro?”; “Superman conseguiria sobreviver a um buraco negro?”).

A partir daí, o livro tempera respostas rápidas e muitas ilustrações sobre temas como inteligência artificial, evolução das espécies, a possibilidade de vida em outros planetas, poluição, mudanças climáticas, reality shows, Jornada nas Estrelas e por aí vai...

Em seu programa, Tyson entrevista tanto outros cientistas de diversas vertentes quanto celebridades que gistam do assunto. Assim, o livro reúne em duas páginas, por exemplo, o que alguns comediantes pensam sobre a ciência da comédia. E ali estão depoimentos de nomes como Dan Aykroyd (dos filmes Os Irmãos Cara de Pau, 1980, e Os Caça-Fantasmas, 1984) e Mayim Bialik (das séries Blossom e The Big Bang Theory; ela própria, aliás, uma neurocientista como sua personagem Amy).

Comunicador de ciência. Neil deGrasse Tyson é há anos um frequentador de programas da televisão americana, especialmente talk shows apresentados por Stephen Colbert, Jon Stewart, Conan O'Brien, Jay Leno e Jimmy Fallon. Também já apareceu em séries interpretando a si mesmo, como em The Big Bang Theory, em 2010, e já apareceu em uma HQ do Super-Homem, em 2012, tendo ajudado a escolher a estrela em torno da qual o planeta Krypton teria orbitado.

Sua aproximação com a cultura pop se estende, por exemplo, na correção do céu visto pela personagem de Kate Winslet no final de Titanic (1997): ele escreveu para James Cameron apontando o erro e, na edição em 3D, o diretor corrigiu o erro e trocou a imagem pelo céu conforme foi visto naquele dia de 1912.

Tyson se tornou muito conhecido até fora dos EUA após uma imagem sua em uma entrevista se tornar um meme extremamente popular em 2012, usado sempre para provocar um interlocutor "melindrado".

Seu talento para a comunicação passou a ser usado na apresentação do Star Talk no rádio em 2009, junto com a comediante Lynne Koplitz, hoje disponível em forma de podcast na internet. O programa passou para a TV, em 2015, a bordo do NatGeo, rebatizado aqui como Star Talk – Falando com Estrelas. A série encerrou em março sua quarta temporada.

No Netflix, Tyson pode ser visto apresentando Cosmos, uma releitura da série documental criada e apresentada por Carl Sagan em 1980. O astrofísico vai ao futuro e ao passado em um outro grande passeio pela ciência.

 

Relacionadas