quarta, 23 de agosto de 2017
Cinema
Compartilhar:

Crítica: filme de Anna Muylaert faz metáfora social poderosa

Renato Félix / 28 de agosto de 2015
Foto: Divulgação
 

A emoção e a razão muitas vezes são tratadas como excludentes no cinema. Há os filmes que se esforçam para envolver o espectador e evitam pensar sobre qualquer coisa mais profunda e não faltam aqueles que abordam situações de maneira cerebral, mas evitam o drama como o diabo. Que Horas Ela Volta? (2015) não sofre com isso: é ao mesmo tempo um drama humano de largo alcance e um filme que pensa muito o Brasil a partir de sua metáfora.

Para começar, é uma história de mães. De início, a de Val (Regina Casé, em grande atuação), uma babá e empregada nordestina que viva há anos na casa dos patrões ricos paulistanos. O suficiente para ter visto o garoto da casa crescer e ter com ele uma relação mãe-e-filho mais do que o rapaz tem com a própria mãe (Karine Teles).

Mas ela tem sua própria filha, Jessica (Camila Márdila), que deixou em Pernambuco para ser criada por parentes. Jessica, que a chama de Val (não de mãe), tem a primeira decepção ao descobrir que a mãe não mora em sua própria casa.

Sem os anos de subserviência e renúncia pessoal que a mãe teve, ela aproveita as chances de transitar livremente pela casa, coisa que a mãe sempre evitou fazer por “conhecer o seu lugar”. Está no limite da independência e do oportunismo.

Leia mais na edição desta sexta-feira (28) do Jornal Correio da Paraíba. 

Relacionadas