segunda, 18 de junho de 2018
Cinema
Compartilhar:

Coadjuvante em ‘Nemo’, Dory ganha densidade e um passado para ela

Renato Félix / 20 de julho de 2016
Foto: Divulgação
Procurando Dory (2016) entra em cena com uma grande vantagem e um grande desafio. A vantagem é a herança positiva do filme do qual ele é continuação: Procurando Nemo (2003) é muito querido pelo público e ainda um dos melhores filmes da Pixar. O desafio é suportar exatamente esse peso e não fazer feio frente ao original.

Feio, o novo filme não faz. Aposta em elevar a protagonista aquela que era a melhor coadjuvante do primeiro filme (e uma das mais memoráveis de todos os filmes da produtora). Com isso, Dory, que não tinha passado em Nemo e cuja perda de memória era na maior parte do tempo um (ótimo) suporte cômico, ganha uma história para si, surpreendentemente dramática, aliás.

O filme, no entanto, demora a parecer mais que “apenas mais um episódio da franquia”. Do meio pro fim, ele ganha densidade, vai respondendo aos poucos a perguntas do passado da personagem (como ela aprendeu baleiês?) e forma uma boa dupla entre a personagem e o polvo dublado por Antonio Tabet.

“Procurando Dory”

Finding Dory. EUA, 2016

Direção: Andrew Stanton.

Vozes na dublagem brasileira: Maíra Góes, Antônio Tabet

Em cartaz em JP, CG, Patos, Guarabira e Remígio

Leia Mais

Relacionadas