quarta, 20 de junho de 2018
Cinema
Compartilhar:

Café Society: novo filme de Woody Allen estreia hoje em João Pessoa

Renato Félix / 25 de agosto de 2016
Foto: Divulgação
Em A Rosa Púrpura do Cairo (1985), Woody Allen contra a história de Cecilia (Mia Farrow), uma espectadora dos anos 1930 para quem o cinema era a única fuga de seu cotidiano. Agora, é como se o cineasta mostrasse as pessoas que faziam os filmes que Cecilia assistia: Café Society (2016), seu novo e elogiado filme que estreia hoje no Brasil, se passa em Hollywood na mesma década de 1930.

Jesse Eisenberg interpreta o protagonista, Bobby, um jovem aspirante a escritor de Nova York que vai a Los Angeles encontrar um tio que é produtor (Steve Carrell) e entrar no mundo do cinema. Ele se envolve com Vonnie (Kristen Stewart), a secretária do tio, mas ela tem um caso. A história do rapaz ainda vai passar de novo por Nova York, onde vai mais uma vez lidar com um mundo de glamour.

Aos 80 anos, Woody mantém sua média impressionante de um filme por ano, mantida desde 1982 – e este tem sido bem mais elogiado que o do ano passado, Um Homem Irracional (2015).

É o primeiro filme filmado em digital por Woody, que mais uma vez não está no elenco. Sua última vez como ator foi em Amante a Domicílio, de 2013, dirigido por John Turturro. A última vez em que Woody atuou em um filme dele mesmo foi em Para Roma, com Amor, de 2012. Mas ele narra o filme, função que não exercia desde A Era do Rádio (1987).

É bom lembrar, no entanto, que Allen volta a aparecer como ator este ano, mas em um seriado: Crisis in Six Scenes, que escreveu, dirigiu e no qual atuou para a Amazon. Os seis episódios serão disponibilizados para os assinantes no dia 30 de setembro.

Há curiosidades também no elenco e na equipe. Enquanto Kristen Stewart teve que fazer um teste para seu papel, Bruce Willis foi demitido do elenco. O mau comportamento dele com o resto do elenco e sua dificuldade em decorar as falas seriam o motivo da cisão: Steve Carrell entrou em seu lugar.

Essa é a primeira colaboração de Allen com o lendário diretor de fotografia italiano Vittorio Storaro (Último Tango em Paris, 1972; Apocalypse Now, 1979; O Feitiço de Áquila, 1985; O Último Imperador, 1987; entre outros). O cineasta tem uma interessante história de colaborações em série com diretores de fotografia de vparios países: o americano Gordon Willis (anos 1970 e 1980), o sueco Sven Sykvist (anos 1980 e 1990), o italiano Carlo di Palma (anos 1980 e 1990), o chinês Zhao Fei (anos 1990  e 2000), o iraniano Darius Khondji (anos 2010).

Por outro lado, é seu primeiro filme sem Jack Rollins como produtor executivo. Rollins morreu no ano passado, aos 100 anos, e estava na equipe de Woody Allen desde seu primeiro filme e, de maneira ininterrupta, desde Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977).

E como se trata de Woody Allen, nem bem lançou Café Society, o cineasta já tem um projeto em andamento. Ainda sem título, tem no elenco Kate Winslet, Juno Temple, Justin Timberlake e Jim Belushi. Desta vez, a história vai se passar na Nova York dos anos 1950.

Relacionadas