segunda, 16 de julho de 2018
Artes
Compartilhar:

Com exposição, Minna Miná lança ‘Onde as Gaivotas Fazem Seus Ninhos’

Audaci Júnior / 07 de março de 2018
Foto: Divulgação
Em 2016, a artista visual paraibana Minna Miná realizou um intercâmbio na Faculdade de Belas Artes da cidade portuguesa do Porto. Lá, na terra estrangeira, ela se deparou com gaivotas em todos os lugares. Veio a curiosidade: onde se encontravam seus lares?

Assim nasceu Onde as Gaivotas Fazem Seus Ninhos, livro que teve êxito em uma campanha de financiamento coletivo na internet, com mais de 500 apoiadores do projeto. Deferente do tema da obra, a publicação independente não foi concebida sozinha. Na próxima sexta-feira, às 19h, na Usina Cultural Energisa, em João Pessoa, haverá o vernissage da exposição homônima junto com o lançamento do livro.

Tendo como cenário uma cidade europeia não específica, a obra gira em torno de quatro jovens – o viajante, a imigrante, a executiva e o menino de luto. Apesar de não se conhecerem, eles possuem algo em comum além da solidão. O quarteto está na busca – cada um à sua maneira – por um “ninho”, um refúgio do cotidiano.

Muito das novas experiências da própria autora pairaram nas páginas do livro, que tem protagonistas sem nomes e nacionalidades definidos para que os leitores se identificassem sem esses reconhecimentos. “Ao mesmo tempo eu era uma viajante, uma menina com saudades de casa e que perdeu a avó durante o intercâmbio, alguém que buscava uma conexão espiritual, tudo isso”, relembra Minna Miná.

De acordo com a paraibana, Onde as Gaivotas Fazem Seus Ninhos segue um formato experimental que reúne as linguagens das histórias em quadrinhos – com uso de balões, por exemplo – com a dos livros ilustrados.

Com poucos textos, as histórias dos quatro personagens são contadas de forma paralela e enviesadas.

Além do evento de lançamento na sexta-feira, o livro poderá ser adquirido na loja on-line do site da ilustradora que se encontra em fase de finalização. A previsão é para o começo de abril.

Exposição

Para complementar a experiência de leitura, Miná organizou uma exposição de mesmo nome que permanecerá até o final deste mês na mesma Usina Cultural Energisa.

“Fiz uma triagem das ilustrações mais relevantes e também queria mostrar os estudos, os esboços, o storyboard, a paleta de cores, o que foi feito durante a campanha de financiamento coletivo”, conta.

O resultado são 25 imagens selecionadas da publicação, além dos materiais de bastidores que revelam cada passo do processo de produção da obra. “Queria que as pessoas presenciassem essas etapas. A exposição é uma forma que surgiu de mostrar a elas pessoalmente, para que vejam bem de pertinho”.

Segundo Minna Miná, as ilustrações obedeceram à técnica mista em papel, na qual foi utilizado para sua confecção grafite, pastel, lápis de cor e acrílica.

Amigo. Cada vez mais o financiamento coletivo na internet – também conhecido como crowdfunding – é adotado para as publicações de forma independente.

“Sempre tive a visão da construção coletiva, não só no sentido de pagarem pelo material. É algo de todo mundo”, frisa. “Isso também facilita a produção e a distribuição automaticamente”.

A única parte negativa dessa empreitada, de acordo com ela, é a questão emocional. Durante dois meses de campanha, os ânimos foram uma montanha-russa com voos rasantes na expectativa da meta para ser batida.

Os produtos oriundos das “recompensas” da campanha – marcadores de página, cartões postais, adesivos e prints – também estarão à venda durante a noite de autógrafos na Usina.

Para Minna Miná, a decolagem do seu primeiro livro é a realização de um sonho. “Cresci lendo livros. Eles me ajudaram no meu amadurecimento. Eles eram verdadeiros amigos e eu nunca me sentia sozinha”, afirma. “Depois de um processo solitário, que durou meses de planejamento e produção, ver o livro tomar forma e receber tanto apoio foi incrível”.

Relacionadas