segunda, 24 de setembro de 2018

Lena Guimarães
Compartilhar:

Qual será o desfecho?

09 de fevereiro de 2018
É sempre assim. A cada ano eleitoral, a movimentação política fica acirrada nos momentos que vão se afunilando em direção ao prazo final que os partidos têm para decidir quem vai para onde, quem vai apoiar quem e quem será candidato a quê. Cada um que queira se dar bem. Todos insistem, até o fim, que não abrem mão de determinada postulação.

Tudo parece caminhar para um desfecho previsível, mas, nos momentos finais, ocorrem surpresas. A preço de hoje, é quase impossível saber como será o quadro real da disputa que precisará ser definido e sacramentado pelas convenções partidárias. É possível que o prefeito Luciano Cartaxo renuncie em 7 de abril? Sim. É possível que o governador Ricardo Coutinho também deixe o cargo no mesmo dia? Sim.

Mas é possível que os dois decidam não renunciar. José Maranhão está seguro e dizendo que será candidato a governador. Será? Claro que pode ser. E claro que não pode. Romero vai ser candidato? Cássio estará na disputa para o Senado ou para o Governo? Ricardo Coutinho vai disputar o Senado? E Raimundo Lira? Tem chances de se reeleger? Tem.

Mas tudo está nebuloso ainda. Os pretensos postulantes aos cargos ofertados estão cada dia mais nervosos porque são apenas quatro vagas (duas de senador, uma de vice e uma de governador) para nomes em número maior. Além do mais, o nervosismo que tem marcado os prefeitos Luciano Cartaxo e Romero Rodrigues é mais visível porque eles têm mandatos pela metade e a renúncia poderá ser um tiro no pé, da mesma forma que pode dar certo.

O governador Ricardo Coutinho vive o dilema: tem vontade de ser senador, mas teme entregar o Governo à vice-governadora Lígia Feliciano. O problema não seria Lígia, mas o marido ela e “dono” do PDT, o deputado federal Damião Feliciano, que é raposa velha na política da Paraíba. Eles no governo vão se contentar com apenas nove meses de mandato?

Será que não vão querer Lígia candidata para enfrentar o candidato de Ricardo, João Azevedo, em possível composição, inclusive, com os Cunha Lima, de quem o governador quer distância? A conjuntura política da Paraíba é complicada. No entanto, um desfecho tem que ocorrer de qualquer maneira. Só resta esperar o que vai acontecer, lembrando que, em política, até boi, vaca e bezerro podem voar.

Torpedo

Deputado Anísio Maia em relação à possibilidade de Luciano Cartaxo renunciar e a Prefeitura de João Pessoa ficar sob o comando de Manoel Júnior. "Não quero comentar os dilemas da oposição. Sei que Luciano Cartaxo é o nome mais forte que eles têm. Mas, minha preocupação é com o seu sucessor, que seria um desastre para a cidade e desmancharia todos os avanços dos últimos treze anos."

Orçamento

O vereador Eduardo Carneiro (PRTB) apresentou R$ 905 mil em emendas ao orçamento de João Pessoa deste ano para obras de pavimentação de ruas e construção e recuperação de praças em vários bairros da cidade.

Ruas nos Bairros

Eduardo Carneiro contemplou bairros como Altiplano, Bessa, Cristo Redentor, Comunidade Bela Vista, Cidade Universitária, Bairro dos Novais, Vieira Diniz, Distrito Industrial, Funcionários III, Geisel, Costa e Silva e Cuiá.

Praças

Também estão contempladas, segundo Eduardo Carneiro, praças no Bairro dos Novais, Cidade Universitária, Bairro das Indústrias (Cidade Verde), Jardim Veneza, Padre Ibiapina, Altiplano e Manaíra.

Conciliação

O TJPB e o Iesp vão instalar na comarca da Capital o ‘Centro de Conciliação e Mediação Zona Norte’. Será dia 16 de março, em Tambaú. O Centro atenderá expressivo contingente populacional nos bairros da Zona Norte da Capital.

Zigue-zague

O deputado Frei Anastácio quer providências do MPPB e do MPF para evitar o fechamento da Escola Municipal Senador Paulo Guerra, no assentamento Mandacaru em Sumé.

Se a escola for fechada, segundo Frei Anastácio, 30 crianças, de 3 a 10 anos, terão que se deslocar 40 quilômetros todos os dias para a escola mais próxima.

Relacionadas