segunda, 24 de setembro de 2018

Lena Guimarães
Compartilhar:

Partiu pra rua

10 de fevereiro de 2018
Muito se ouviu e leu nos últimos dias de críticas e louvações ao senador José Maranhão, pré-candidato ao governo do Estado, por suas participações em blocos do pré-carnaval de João Pessoa. Preferências políticas a parte, o emedebista, que tem 84 anos, é o que tem demonstrado maior disposição de ir atrás dos votos que possam lhe levar de volta ao cargo que já ocupou por três mandatos.

No desfile do bloco da Virgens, vestido de bermuda, após circular entre os foliões, passou a maior parte da festa assistindo de camarote, enquanto era saudado por muitos dos que passavam pela avenida. Demonstrando uma disposição que muitos foliões bem mais jovens já não dispõem. E dentre os possíveis concorrentes no páreo pelo comando do Executivo Estadual não se vê tanta vontade assim.

No bloco das Muriçocas, deixou o camarote e subiu no trio. Acenos, beijos e abraços foram lançados ao longo da Epitácio Pessoa. Do camarote, o prefeito Luciano Cartaxo  (também pré-candidato ao governo) foi saudado comum sinal de abraço do senador. Horas antes, o prefeito havia exonerado três auxiliares ligados ao senador.

No desfile das Virgens, Cartaxo levou falta. Na noite anterior havia prestigiado os blocos Amoringa dos Bancários e o Tambiá Folia. A maioria dos registros em imagens foi ladeado por outros políticos e companheiros de governo.

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, prometeu passar por João Pessoa durante o Carnaval. Na última semana, se manteve visitando os bairros de sua cidade e marcou presença nos eventos religiosos que marcam a época na Rainha da Borborema.

O secretário João Azevedo manteve a rotina de acompanhar o governador Ricardo Coutinho em eventos da administração estadual. Segue a estratégia de colar sua imagem na aprovação da gestão do padrinho político.

Cada um do seu jeito busca viabilizar a sus candidatura ao governo do Estado. Sem a pressão do calendário, da indefinição de aliados e da ameaça de não ter legenda - afinal é presidente do MDB - consegue passar melhor a imagem de candidato. Enquanto as convenções não chegarem, é o que tem. Depois, é com os eleitores nas urnas.

Relacionadas