terça, 12 de dezembro de 2017

Renato Félix
Compartilhar:

O cinema na rua

11 de outubro de 2017
Ainda existe um cinema de rua na Paraíba. Fica em Remígio, cidade próxima a Campina, a antiga sala da cidade, que voltou à ativa pelo bravo Regilson. Seu amor pelo cinema ressucitou o agora Cine RT, integrado ao circuitão nacional. Todas as outras 37 salas paraibanas estão em shoppings, com uma exceção para o Cine Banguê (não fica em um shopping, mas dentro de um centro cultural). Esta semana, conversando com o crítico pernambucano André Dib, me lembrei dessa transição, que vivi. Quando cheguei aqui, em 1985, João Pessoa tinha quatro salas (hoje são 27!): o Municipal e o Plaza (que na época, quase sempre só passava pornô), o Tambaú e o Banguê. Os três primeiros, do grupo de Luciano Wanderley. Em 1989, o Manaíra Shopping trouxe o primeiro cinema de shopping da cidade: o Art Manaíra, da Art Filmes. Com a primeira extensão, Luciano Wanderley cravou ali o Rex Manaíra (o nome lembrava o antigo Rex, na Duque de Caxias, que não peguei) e depois comprou o Art, que virou Rex Manaíra 2. Os Rex ficaram ali até a Box Cinemas instalar suas oito salas no andar superior (depois adquiridas pela Cinépolis). A essa altura, o MAG Shopping já havia inagurado o primeiro multiplex da cidade, com as cinco salas da Cinesercla. Depois fecharam, e abriu lá o Cinespaço, hoje Centerplex. É uma rica história, muito mais rica ainda, antes de JP ser reduzida a quatro salas, nos anos 1980. Dib acompanhou João Batista de Brito em uma viagem aos locais onde fi cavam os antigos cinemas de Jaguaribe. Viagem que João narra em seu blog (https://imagensamadas.com/2017/10/02/ruinas). E será tema de uma oficina na UFPB nesta sexta e sábado, com inscrições até hoje: https://m.facebook.com/events/181858059027388.

Relacionadas