sábado, 18 de novembro de 2017

Lena Guimarães
Compartilhar:

É guerra!

17 de outubro de 2017
Sendo João Pessoa a cidade eleitoralmente mais forte da Paraíba (tem 495.282 votantes, ou 17,1% do total do Estado), e sendo a sua zona Sul a mais populosa, está mais do que claro o motivo da mais nova guerra entre o governador Ricardo Coutinho e o prefeito Luciano Cartaxo.

Após perder duas eleições seguidas na Capital da qual foi prefeito e que projetou seu nome, Ricardo Coutinho tenta mostrar serviço, ao tempo em que tenta colar a pecha de incompetente no prefeito.

Após ganhar duas, Cartaxo demonstra uma segurança no seu modo de governar que os adversários acham equivocada e lembram o ditado que diz que “de bunda de neném e de urna, ninguém sabe o que sairá”.

O motivo para o novo confronto é a obra da Perimetral Sul, um trecho que liga a BR-101, passando pelos conjuntos Gervásio Maia, Colinas do Sul, Valentina de Figueiredo e Muçumagro, até a PB-008, que faz a ligação com o litoral Sul, com extensão de 9 Km em pista dupla.

A obra começou em setembro de 2013, no 1° governo de Ricardo, mas a construtora escolhida não conseguiu realizá-la. Nova licitação foi lançada, e, suspensa pelo TCE para apurar denúncia de irregularidades. Retomada em 2016, agora tem prazo de entrega para fevereiro de 2018.

Quarta-feira passada, fiscais da Prefeitura embargaram o trecho, por irregularidades. No mesmo dia o secretario do Meio Ambiente determinou a suspensão da ordem. Não evitou o estrago. A disputa política não permite que nenhuma das partes dispense material tão bom.

A obra, que estava no anonimato, ganhou manchetes a partir do anúncio de Ricardo de que prosseguiria e que ele estaria presente para garantir. O recuo da Prefeitura permitiu que saísse por cima.

Palavras de Ricardo: “Se você tirar o governo do Estado das obras que faz de mobilidade em João Pessoa, não sobra uma, a não ser um pontilhão na Beira Rio que já dura um período bastante extravagante, a não ser aquilo. Ou seja, as obras de mobilidade urbana em João Pessoa, como também em Campina Grande, são obras do Governo do Estado”.

Cartaxo não gosta de estimular polêmica, mas o secretario da Comunicação, Josival Pereira disse que o ataque tenta mascarar o atraso na obra, pela qual o governo já culpou a primeira construtora, o TCE e agora mira a PMJP. Passados quatro anos, os 9 km ainda não estão prontos. É fato.

TORPEDO

"Há polêmica sim e foi criada pela prefeitura, numa atitude irresponsável para suprir aquilo que não faz e fica tentando estabelecer cabo de guerra. Nossa responsabilidade é, inclusive, suprir o que o município não faz."

Do governador Ricardo Coutinho, sobre o embargo de fiscais da PMJP a obra da Perimetral Sul, que não chegou a ser concretizado.

Complô?

Um áudio que viralizou no WhatsApp criou um problemão para o vice-prefeito de Sousa, Zenildo Oliveira (PSD). Nele, seu irmão Sezanildo Oliveira revela esforço junto a Justiça para cassar o prefeito Fábio Tyrone.

O alvo

Sezanildo chama Tyrone de “vagabundo, cachaceiro, sem-vergonha” e revela que dois advogados estão cuidando do caso no STJ. “Vou derrubar a laia toda, de uma só vez”, para abrir a vaga para o irmão assumir prefeitura.

O motivo

Tyrone já foi condenado por improbidade e teve direitos políticos suspensos por aplicar as cores de sua campanha em prédios públicos, no 1º mandato. A 1ª Turma do STJ confirmou. O último recurso está em pauta.

Fora do jogo

Zenildo Oliveira, alegando está em trânsito para São Paulo, gravou um áudio desacreditando o irmão. Diz que nunca autorizou ou participou de “jogo sujo”, que acredita no bom direito de Tyrone, e culpou a oposição.

ZIGUE-ZAGUE



  • Em carta aos deputados aliados, o presidente Michel Temer também se diz vítima de uma conspiração para tirá-lo do poder, e que os fatos são “incontestáveis”.


  • Temer fala sobre 2ª denúncia da PGR, em pauta na CCJ, e aponta Rodrigo Janot, Marcelo Miller, Joesley Batista e Lúcio Funaro. Que foi “tudo combinado”.


Relacionadas