terça, 17 de julho de 2018

Sony Lacerda
Compartilhar:

Desperdício na Jaty

19 de maio de 2018
A zona rural da Paraíba está abandonada pelos Governo (federal, estadual e municipais) há décadas. Produtos que poderiam mudar a vida financeira de pessoas pobres são jogados fora todos os anos por falta da presença de técnicos da Emater, Embrapa e das prefeituras. Um exemplo concreto está na Comunidade Jati, na zona rural de Itatuba. Um agricultor de 70 anos chamado José Raimundo tem uma pequena propriedade de menos de 10 hectares. Fez uma cerca viva com pés de cajá, uma árvore altamente resistente à seca.

Todos os anos, entre os meses de junho e julho, os cerca de 40 pés de cajá ficam amarelos de frutos. O chão fica completamente amarelo. Cada arvore produz, em média 300 quilos. Quando 300 quilos são multiplicados por 40, o resultado é o seguinte: 12.000 quilos de cajá desperdiçados. Levando-se em conta que um quilo poderia ser vendido a R$ 2,00, são 24 mil que seu José Raimundo perde todos os anos.

Semi-analfabeto, isolado no meio da caatinga, sem orientação de quem quer que seja, ele não tem como vender a produção, que, na pior das hipóteses, lhe render R$ 12 mil por ano, se o fruto fosse vendido a R$ 1,00. Além dele, outros moradores da comunidade Jaty possuem cercas vivas de cajá. A produção de mel é outra alternativa para melhorar a vida na zona rural. Com o canal do São Francisco, tais culturas poderiam ser ampliadas.

A 30 quilômetros do local, em cima da Serra da Borborema, a comunidade Craibeira enfrenta o mesmo problema com a fartura de jabuticaba. Logo que as primeiras chuvas chegam, toneladas do fruto da mata de jabuticabeiras também se perdem por falta de logística e de apoio do governo para a venda do produto. São apenas dois exemplos de desperdício por falta de assistência, logística, estradas, etc.

MARANHÃO PRESTIGIA MARCONDES

A vice-governadora do Estado da Paraíba, a médica Ligia Feliciano (PDT), declarou que está aberta ao diálogo depois que recebeu elogios (por meio da imprensa) do vice-prefeito de Campina Grande e presidente estadual do Partido Progressista (PP), Enivaldo Ribeiro.

UNIÃO DE FORÇAS

Lígia Feliciano disse que não abre mão da continuidade administrativa do projeto do qual faz parte como vice-governadora da Paraíba, mas prega uma ampla união de forças políticas estaduais.

GRANDEZA

“Todos que reconhecem a grandeza do atual projeto têm que se unir. Ficar contra ele é ficar contra o desenvolvimento”, afirmou a vice-governadora.

CACIQUE

Para Lígia, o projeto virou uma ideia que não pertence a nenhum “cacique político” e sim ao povo. “Quanto mais gente apoiando, melhor. Eu recebi com felicidade as palavras elogiosas do vice-prefeito Enivaldo Ribeiro”.

IDEIAS

A vice-governadora afirmou que segue ouvindo a população da Paraíba, discutindo ideias e visitando as cidades do interior do estado.

AUMENTO DO ICMS DA ÁGUA

Como se não bastasse todos os aumentos de impostos determinados pelo governador Ricardo Coutinho (PSB), durante seus dois governos, o socialista surpreende mais uma vez ao cobrar o ICMS de 18% aos transportadores de água por meio de carros-pipa, disse o deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB).

SAÚDE

O juiz Marcos Coelho de Salles, coordenador do Comitê Estadual de Saúde do TJPB, está em São Paulo, juntamente com 27 representantes tribunais brasileiros, promovido pelo Fórum Nacional da Saúde do Poder Judiciário.

CAUSAS MÉDICAS

Sales foi lá com o objetivo de qualificar decisões judiciais que envolvem causas médicas. As atividades aconteceram no Hospital Sírio Libanês.

AUDIÊNCIA

O deputado Frei Anastácio apresentou requerimento solicitando uma audiência pública para discutir as condições sanitárias, de estrutura física, de equipamentos, materiais e de saúde do trabalhador IPC.

EXPOSIÇÃO 

Ricardo Coutinho, acompanhado do secretário Rômulo Montenegro, abre amanhã, às 16h30, em Campina Grande, a 51ª Exposição de Animais.

*Colaboração de Adelson Barbosa dos Santos

Relacionadas