terça, 25 de setembro de 2018

Lena Guimarães
Compartilhar:

Ainda sobre o “Almeidão”

18 de fevereiro de 2018
A propósito do esclarecimento desta Coluna a respeito do nome do Estádio “O Almeidão”, que leva o nome de José Américo de Almeida Filho, em artigo publicado semana passada, a ex-secretária do ex-ministro e ex-governador José Américo (político influente até os últimos dias de vida, em março de 1980), Lourdinha Luna, enviou a seguinte mensagem por e-mail ao jornalista Adelson Barbosa dos Santos, com quem ela conversou sobre o assunto.

“Comovida, agradeço e valorizo o artigo de Lena Guimarães que, no uso do que você (Adelson) lhe passou, reproduziu, fielmente, o conteúdo narrado quanto ao Estádio O Almeidão. A história está bem contada. Alguns condenam o Regime Militar, mas não se deve esconder o que existiu de bom em sua administração. Provavelmente pela ausência da corrupção que hoje é tão frequente, em todos os escalões da República.

O governador Ernani Sátyro me telefonou (Zé Américo não sabia atender telefone. Desligava antes da hora!...) avisando que iria a Brasília levar o projeto para a construção do Estádio José Américo de Almeida Filho.

Menos de 15 dias foi avisado que a verba estava no Banco do Brasil. Aí, entrou um campo, com as mesmas proporções para Campina Grande. Os clubes de futebol faziam fila para pedir a José Américo a indicação do nome de José Américo de Almeida Filho para o novo estádio e eu respondia: A decisão é do governador.

Do ministro José Américo (o título de Ministro é porque ele aposentou-se no TCU, quando ainda, seus titulares, não eram conselheiros. José Américo se pode dizer que fora uma figura singular. Enquanto seu primogênito (Reinaldo de Almeida) escolheu a carreira militar, o caçula quis ser jogador de futebol, onde atuou como profissional e o pai aceitou naturalmente, vendo na atitude filial a sua vocação.

Todos os anos ele vinha passar as férias escolares em João Pessoa, em casa de seu tio e padrinho Augusto de Almeida. Conhecedor das dificuldades em que vivia o Botafogo, clube que ocupava todo o seu coração, fixou residência definitivamente em João Pessoa”.

Lourdinha enviou o texto acima por causa do esclarecimento feito em relação ao nome do estádio. Muita gente confunde e acha que a homenagem foi ao ex-governador e ex-ministro, mas, na verdade, foi ao seu filho, que era jogador do Botafogo, tinha o mesmo nome e morreu com a mulher e uma filha em acidente de carro, dias depois da morte do filho mais velho, também em acidente automobilístico.

Relacionadas