quarta, 20 de setembro de 2017
Trânsito
Compartilhar:

Sono ao volante é responsável por mais de 200 acidentes e campanha alerta sobre os perigos

Rammom Monte / 20 de março de 2017
Foto: Assuero Lima
Sono e direção não combinam. Um dos grandes causadores de acidentes nas rodovias brasileiras é a sonolência. Por conta disto, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN) lançou na última semana a campanha “Não Dê Carona Para o Sono”, que visa reduzir os acidentes de trânsito relacionados aos distúrbios de sono. A campanha conta ainda com o apoio da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), Conselho Regional de Medicina de São Paulo, e da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP).

Mas até que ponto o sono pode interferir na capacidade de dirigir? De acordo com o neurologista Marcos Aurélio Filgueiras, a sonolência é até mais perigosa do que dirigir usando o telefone celular. “Sem dúvidas, o sono pode matar uma pessoa na direção. Ele pode descontrolar o motorista. Sono é pior até do que o celular”, disse, completando que o ideal é dormir pelo menos de 6 a 8 horas por noite.

O neurologista alertou ainda para outro mal que atinge grande parte da população mundial. Segundo ele, 30% das pessoas no mundo sofrem de insônia. E número de casos vem crescendo cada vez mais. “No mundo existe 30% de pessoas que sofrem de insônia. Só que a população de uma maneira geral sempre teve uma noite sem sono, não existe ninguém no mundo que não teve uma noite de insônia. E isto aumentou muito com estresse. O brasileiro é o mais ansioso do mundo e eu vejo muito isto, trato demais insônia. Hoje isto piorou muito, estou assustado, nunca vi tanta gente com ansiedade, insônia”, explicou.

PRF alerta para números de acidentes

O coordenador de comunicação da Polícia Rodoviária Federal, Éder Rommel, falou também da relação sono x direção. Segundo ele, os números são altos, mas poderiam ser ainda maiores, já que muitos dos motoristas não assumem que de fato estavam com sono na hora do acidente.

“A minoria assume que dormiu ao volante e principalmente quando tem danos a terceiros, porque é uma irresponsabilidade. Então eles vão alegar que desviou de outro carro ou algo do tipo, mas não assume o sono. Nós não fazemos um trabalho específico para isto, mas nas palestras cita-se. Eu cito isto, a gente manda nos textos, mas não existem campanhas, existem oportunidades de espalhar esta informação”, disse.

Rommel falou ainda sobre a prática de tomar medicamentos para se manter acordado, o que representa um risco enorme tanto para o condutor do veículos, quanto para terceiros. “Há caminhoneiros que tomam os conhecidos arrebites com o fim de se manterem acordados. Mas com o fim do efeito, o sono surge de maneira muito forte e incontrolável”, afirmou.

De acordo com o policial, a vendas destes medicamentos são proibidas e a PRF apreende caso encontre-o em algum veículo. Além disto, ele afirmou que a Polícia também pode impedir que o motorista siga viagem caso suspeite de que ele não esteja em condições.

“A gente tem vários flagrantes e apreensões do medicamento mas não fazemos atuação pelo uso, porque são exames sanguíneos e não há como realizá-los no momento. O policial quando percebe um comportamento diferente, pode até presumir o uso, principalmente quando encontrão medicamento no carro. Então ele recolhe e o motorista vai responder. Se ele perceber ele tira o motorista de circulação. Um simples sono até. Se ele está em uma ronda e vê um carro em ziguezague por exemplo, ele passa o etilômetro. Se não é embriaguez, é sono. Aí o motorista não segue mais viagem. O sono vai provavelmente provocar o acidente, a segurança vem em primeiro lugar”, disse.

Apesar de ser preocupante, o sono não é uma das principais causas de acidente. Porém, isto não significa que a PRF não o trate com a devida importância. “Nem está nem entre as 10 primeiras. Vem antes falta de atenção, velocidade excessiva, embriaguez, está bem longe de ser um das primeiras. São acidentes pontuais, mas todo acidente é preocupação nossa e como evitar este tipo de acidente”, finalizou.



 

Relacionadas