quarta, 18 de outubro de 2017
Seca
Compartilhar:

Seca faz rendimento de produtores rurais cair em até 95%

Nice Almeida / 29 de agosto de 2015
Foto: Arquivo
A seca, considerada uma das maiores dos últimos 50 anos, tem feito muitas vítimas na Paraíba. Mas nada se compara ao produtor rural que, de acordo com pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), teve seu rendimento reduzido em até 95%. As áreas do Sertão e parte do Agreste foram as mais atingidas pela estiagem e, consequentemente, pela queda da safra de grãos em 2014.

LEIA MAIS: Safra em queda: PB deve perder 10 mil toneladas de grãos

As quedas no rendimento ficaram em torno de 90% para o feijão, 95% para o milho, 95% para o arroz e 50% para a cultura da fava. A única área onde as lavouras mostram um rendimento dentro do esperado foi no Litoral, pois mesmo com chuvas abaixo da média, as plantações mostram um desenvolvimento normal.

Esse já é o quarto ano seguido que a Paraíba registra chuvas abaixo da média histórica, o que contribui para a queda na produção agrícola estadual e a redução da disponibilidade de água nos principais reservatórios do Estado, sobretudo, daqueles que estão localizados nas regiões do Sertão e da Borborema, que além de abastecer suas populações, são utilizados também para atender os projetos de irrigação públicos e privados ali existentes.

Enquanto nas regiões do Sertão, Borborema e parte do Agreste a maioria dos municípios enfrentam problemas de abastecimento, no litoral os reservatórios acumulam volumes suficientes para garantir o abastecimento da população até 2017, pois as chuvas que caíram no mês de julho conseguiram encher os principais mananciais, destacando-se entre eles, os açudes de Araçagi, Gramame, Jangada e Olho D'Água.

Com relação a região do Sertão e da Borborema, a situação é preocupante, uma vez que os reservatórios que abastecem essas áreas estão com níveis muito baixos, (em torno de 20% da capacidade total) e as chuvas somente voltarão a acontecer em janeiro do próximo ano.

Situação da pecuária

A pecuária também tem sofrido com a estiagem, já que as pastagens estão secando. Porém, nesse setor ainda não foram registrados  efeitos negativos sobre o desempenho dos animais, uma vez que para complementar a alimentação do gado os criadores estão utilizando os restos das culturas de milho, arroz e feijão.

No Cariri e Curimataú, onde choveu menos e as pastagens não tiveram uma boa formação, os animais estão sofrendo os efeitos da estiagem e começam a perder peso. Isso tem obrigado os criados com menos recursos a começaram a vender seus animais.  Isso tem sido consequência não apenas da falta de pastos, mas também por causa do preço do farelo de soja e da palma forrageira.

Situação hídrica

No momento, dos 123 açudes monitorizados pela Aesa, 55% estão com menos de 20% da capacidade e 21 deles com menos de 5% da disponibilidade total. Neste ano de 2015, somente cinco açudes transbordaram e todos eles estão situados no litoral e agreste da Paraíba. Segundo a Cagepa, 62 cidades estão enfrentando racionamento, 35 em situação de alerta e 29 em colapso no sistema de abastecimento.

Relacionadas