segunda, 19 de fevereiro de 2018
Saúde
Compartilhar:

PSFs da Paraíba ganham 42 médicos, João Pessoa receberá 7 profissionais

Aline Martins com assessoria / 30 de julho de 2016
Foto: Divulgação
Neste mês, a Paraíba vai receber 42 profissionais para ocupar vagas em aberto do Programa Mais Médicos. A capital paraibana receberá sete profissionais, o que mostra a necessidade de ter mais profissionais na cidade. Em pelo menos duas unidades de saúde da família (USF) de João Pessoa, pacientes reclamam da falta de profissionais que se ausentaram por afastamento médico ou estão de férias e não foram substituídos.

Dos 23 profissionais que virão para a Paraíba, 10 são brasileiros formados no exterior e 13 são cubanos. Por conta da falta de médicos em algumas unidades de saúde, médicos de outras unidades atendam precisam suprir essa demanda. Tanto funcionários quanto a própria Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informaram que todas as unidades possuem médicos, mas que em casos de profissionais afastados ou de férias a população não fica desassistida. Por conta disso, moradores precisam recorrer a bairros vizinhos da Capital.

Há pelo menos dois meses, a USF Roger I está sem a médica que se afastou após fraturar o pulso. Nesse mesmo local funciona a unidade II que atende uma parcela do bairro. Nessa unidade há uma profissional, mas que não atende a todos, segundo revelou os moradores. “Ela só atende quatro pessoas do Roger I. Se passar desse número ela não atende mais naquele dia e a gente tem que voltar para casa sem ser atendida”, disse uma paciente que preferiu não ser identificada. A aposentada Marli Xavier, 85 anos, depende dessa unidade. Ela disse que já recorreu a USF de Mandacaru, bairro vizinho para poder ser atendida. “A médica do Roger I é excelente, é uma ótima pessoa, só que ela está afastada porque quebrou o pulso”, disse.

Na unidade dos Funcionários II o problema já está há quase um mês. Os moradores informaram que a médica entrou de férias e não foi substituída. “Tenho que levar um laudo para o INSS só que não tem médico para assinar no PSF”, disse a moradora Maria das Dores Silva O filho dela tem distúrbios mentais e precisa de acompanhamento na Previdência Social.

Ainda nos Funcionários II, a agente de saúde Raul José Bezerra confirmou que os médicos não são substituídos quando entram de férias, mas que nenhum paciente fica sem atendimento. “A gente reloca para outras unidades e os exames com urgências são solicitados. Já aqueles que podem esperar aguardam o médico retornar”, disse. A pedagoga Socorro Bernardo é dessa unidade, mas conseguiu atendimento no dia de ontem.

Relacionadas