domingo, 20 de agosto de 2017
Saúde
Compartilhar:

Secretários querem ponto eletrônico, mas temem que médicos deixem postos de trabalho

Bruna Vieira / 29 de julho de 2015
Foto: Assuero Lima
O ponto eletrônico nas unidades de saúde está sendo recomendado pelo Ministério Público Federal desde setembro passado. Pelo menos 81 municípios e o Estado já receberam a recomendação diretamente. A execução da medida não é fácil, principalmente, no interior do Estado onde a fixação dos médicos é mais difícil. A preocupação dos 24 gestores municipais de saúde da região de Patos, no Sertão, é que os médicos abandonem o trabalho por serem obrigados a cumprir horário. O Conselho dos Secretarias Municipais de Saúde diz que a resistência dos profissionais deve ser quebrada quando todos os municípios abandonarem os ‘acordos’ e exigirem o cumprimento do horário.

O objetivo da medida é ter controle sobre o expediente de médicos e odontólogos, que, por prestarem serviços em mais de um lugar,’ poderiam não cumprir integralmente a carga no serviço público. A decisão surgiu da reclamação da população de ausência ou atraso desses profissionais.

A presidente do Cosems, Soraya Galdino, confirma que há dificuldade em alguns municípios em cumprir horários. “A dificuldade está em alguns profissionais não aceitar determinada orientação. Sabemos que há e haverá alguma resistência, pois alguns municípios para ter determinada categoria de profissionais estão aceitando horários reduzidos para mantê-los na unidade! Mas acreditamos que se todos os municípios se unirem nessa decisão de exigir o cumprimento de horário e fortalecidos pela determinação do Ministério Público a população assistida será a maior beneficiária. A determinação é positiva”, disse.

Soraya, que é secretária de saúde de Montada, informou ainda que todos os municípios estão recebendo a recomendação do MPF. “O mesmo está dando um prazo dentro de um termo de ajuste de conduta para os municípios se organizarem e custearem o equipamento e toda a organização prevista para o funcionamento. Para a gestão será mais uma ferramenta para fazer os profissionais cumprirem seu horário dentro das unidades e vindo do MPF fortalece a gestão neste cumprimento”, reiterou.

Relacionadas