quinta, 20 de setembro de 2018
Saúde
Compartilhar:

Farmácia popular tem estoque zerado por ausência de farmacêutico para atender

Aline Martins / 23 de agosto de 2016
Foto: Nalva Figueiredo
Pelo menos dois remédios (Aciclovir, que é destinado ao tratamento de herpes, e Azatioprina, usado para tratar de artrite, doenças autoimunes e para receptores de transplante de órgão) não são encontrados em farmácias da rede na Capital. Na Farmácia Popular que fica na principal avenida do bairro de Cruz das Armas, o problema é pior: não se encontra nenhum tipo de medicamento há vários meses, segundo revelou um dos funcionários que está há mais de dois anos no local.

A unidade fica aberta apenas para comunicar a população onde podem encontrar os remédios. Segundo um dos funcionários, é necessário ter um farmacêutico no local para que sejam solicitadas as medicações.  “Nas outras farmácias também está difícil encontrar antibióticos e controlados”, afirmou Paulo de Sousa.

Segundo uma das atendentes da Farmácia Popular do Brasil do Bairro dos Ipês, o problema é na distribuição da Fiocruz e por conta disso, as unidades estão com dificuldades de adquirir a medicação. Essa rede de farmácia faz parte de um programa federal e é administrada por prefeituras.

Se faltam na Farmácia Popular, nas farmácias de outras redes que também oferecem medicamento a preço popular, não passam por esse problema, segundo a farmacêutica Ionalda Lopes de Andrade. “Não estamos com nenhum problema. Há alguns meses tivemos problemas com a diminuição dos lucros, mas foi normalizado e não há descontinuidade na distribuição”, comentou.

Prefeitura esclarece

4A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), responsável por administrar a Farmácia Popular do Brasil na Capital informou, por meio de nota, que todos os medicamentos da Farmácia Popular do Brasil são fornecidos pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que já foi comunicada para que o abastecimento seja regularizado e disponibilizado à população. Disse ainda que os dois remédios citados na reportagem estão em falta em todo o Brasil, não apenas na Paraíba. Em relação à farmácia de Cruz das Armas, a SMS informou havia dois farmacêuticos nessa unidade, mas um deles pediu para sair e o outro está de licença. Os dois profissionais já foram relocados para o local e devem assumir esta semana, pois uma portaria determinava que ambos assumissem ontem.  Também adiantou que também já informou a Fiocruz para que enviasse os demais tipos de medicamentos.

Relacionadas