segunda, 16 de julho de 2018
Saúde
Compartilhar:

Equipamentos de dois hospitais são interditados na Paraíba

Katiana Ramos / 18 de abril de 2018
Foto: DIVULGAÇÃO/ASCOM-MPPB
Dois hospitais e uma clínica que estavam operando com suspeita de estarem utilizando equipamentos médicos contrabandeados e sem o atestado de qualidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foram notificados nessa segunda-feira (17) pelo órgão juntamente com o Ministério Público Estadual e a Vigilância Sanitária Municipal que interditaram os aparelhos.

Segundo a Anvisa, a falta do selo de qualidade da Anvisa e do comprovante da origem das máquinas põe em risco a qualidade dos exames feitos nos aparelhos.

“São equipamentos sucateados vindos dos Estados Unidos e que estavam sendo comercializados no País, um deles é o arco cirúrgico. Eles (contrabandistas) traziam o equipamento de maneira fraudulenta para o País, na sequência modificaram o equipamento, com alguns até entrando pela fronteira como máquinas gráficas – e ofereciam com o preço vantajoso. Isso traz uma série de problemas porque a Anvisa não tem como garantir a qualidade da imagem desses exames e dos laudos”, disse o coordenador de Segurança Institucional da, Marcel Figueira.

O arco cirúrgico foi encontrado no Hospital Samaritano e não estaria em uso. No local, os fiscais ainda encontraram um raio-x e um aparelho de angioplastia 3D, pertencentes a empresas terceirizadas que prestam serviços para o hospital. Já os outros dois aparelhos de raio-x interditados foram encontrados no Hospital São Vicente de Paulo e na Clínica Radiológica da Paraíba.Ainda nesses, o Ministério Público, Anvisa e a Vigilância interditaram um mamógrafo em cada um.

No caso dos equipamentos de raio-x, o promotor Glauberto Bezerra acrescentou que o objetivo da operação foi verificar a qualidade radiológica e alertou para o risco de vazamento de radiação, no caso dos equipamentos de raio-x.

O Hospital Samaritano informou que a diretoria da instituição deve se pronunciar oficialmente hoje sobre a fiscalização. Já os representantes do Hospital São Vicente de Paulo e da Clínica Radiológica não foram localizados pela reportagem.

No São Vicente de Paulo, a reportagem falou com uma atendente, em um número fixo, que ficou de retornar com a palavra da direção, o que não aconteceu até o fechamento desta edição. Na Clínica Radiológica, as ligações não foram atendidas.

Fiscalizações acontecem no País

A fiscalização em João Pessoa se soma às ações que a Anvisa e a Polícia Federal vêm realizando em todo o Brasil para combater a aquisição de equipamentos médicos irregulares. Essas ações tiveram início em 2017 com uma investigação da Polícia Federal sobre contrabando desse tipo de equipamentos.

Segundo o coordenador de Segurança Institucional da Anvisa, Marcel Figueira, 132 equipamentos, entre tomógrafos, mamógrafos, ultrassons, ressonâncias magnéticas, raios-X e equipamentos de anestesia geral, foram apreendidos em várias cidades brasileiras. A investigação apontou que esses aparelhos foram importados de forma fraudulenta, sem passar pelo crivo da Anvisa.

Marcel Figueira ressalta que, além de prejudicarem a saúde, por conta da emissão de raios ionizantes, equipamentos sem origem legal podem fornecer diagnóstico errado.

Ele ainda explicou que todo equipamento médico comprado após 2001 precisa ter um selo da Anvisa e do Inmetro. Além disso, é proibida a revenda desses aparelhos entre médicos.

Relacionadas