quinta, 19 de julho de 2018
Policial
Compartilhar:

Polícia prende quatro acusados de assaltaram agência do Bradesco

Ainoã Geminiano Com Assessoria de Imprensa / 05 de maio de 2016
Foto: Arquivo
As polícias Civil e Militar confirmaram a prisão de quatro envolvidos no roubo a banco Bradesco, que fica na Avenida Epitácio Pessoa, bairro da Torre, na Capital. A Delegacia de Roubos e Furtos também confirmou que a ação teve a participação de sete pessoas. Um dos principais atores do roubo, Geraldo Marcos Pires de Alencar, 40 anos, já cumpria pena no regime semiaberto e estava foragido desde o ano passado. Também foram presos Roberto Carlos Pereira da Silva Junior, 29 anos, David Ferreira Costa, de 20 e Leandro de Macena Filho, de 29. Com eles, foram apreendidos um colete balístico e parte do dinheiro roubado da agência.

O delegado Aldrovilli Grisi disse que Geraldo já era investigado pela Delegacia de Roubos e Furtos. “Ele e Roberto foram os responsáveis pela entrada na agência e a execução do assalto, sendo que Geraldo foi preso com David durante uma abordagem da Polícia Militar, que aconteceu no Alto do Mateus. Os demais foram presos em seguida, na cidade de Cabedelo, em consequência das primeiras prisões”, explicou.

Um grupo de usuários da agência do Bradesco da Epitácio Pessoa, assaltada na última segunda-feira, fez um protesto com apoio do Sindicato dos Bancários da Paraíba, contra a desativação dos caixas que atendiam aos clientes. Como medida de segurança, a direção do banco mandou erguer uma parede, fechando o compartimento em que ficavam os caixas, impedindo o acesso do público. A medida desagradou e gerou confusão durante a manhã. Após uma reunião entre os sindicalistas e diretores, a parede foi derrubada e o atendimento foi retomado no início da tarde.

Durante o protesto, os membros do sindicato denunciaram que, durante o assalto, um funcionário foi feito refém, sendo liberado depois de ser espancado e ameaçado de morte por diversas vezes. De acordo com os sindicalistas, o servidor ficou muito abalado com a violência que sofreu e, mesmo assim, foi convocado para o local do crime, ao invés de ser atendido.

 

Leia Mais

Relacionadas