terça, 19 de junho de 2018
Policial
Compartilhar:

Mais uma agência bancária é alvo de assaltantes na Paraíba

Da redação com Portal Correio / 25 de agosto de 2016
Foto: Divulgação
Homens armados cercaram sedes da Polícia Militar durante assaltos a agências do Banco do Brasil e dos Correios nas cidades de Soledade e Assunção, ambas no Agreste paraibano, na madrugada desta quinta-feira (25). As ações foram simultâneas, com início por volta das 2h30, e a polícia acredita que os ataques teriam sido executados por uma mesma quadrilha. Os criminosos explodiram caixas eletrônicos, cofres e dispararam tiros contra prédios públicos e particulares. O montante roubado pelos assaltantes não foi divulgado.

De acordo com o aspirante Diego, da Companhia de Polícia Militar em Soledade, pelo menos cinco bandidos cercaram a base da PM e passaram aproximadamente 20 minutos efetuando tiros. Apesar da ação, ninguém ficou ferido.

“Chegamos a tentar um revide, mas eles estavam com poder de fogo superior, então desistimos e ficamos acuados. Eram armas de grosso calibre e algumas de uso restrito. Pela janela, consegui visualizar dois criminosos com fuzis, mas havia pelo menos outros três envolvidos no tiroteio. Os bandidos realmente vieram prontos para atacar a Companhia e deixar os policiais encurralados. Estava tudo programado, eles trouxeram bastante munição”, contou o policial, que estava no plantão com outros seis militares.

O aspirante Diego contou também que ainda não é possível dizer quantos assaltantes participaram do ataque ao banco. Porém, ele informou que o prédio foi completamente destruído pela explosão. Caixas eletrônicos e o cofre principal da agência foram violados. Antes de fugir, o bando ainda quebrou portas e estourou vidraçarias de lojas que ficam próximas ao banco.

Em Assunção, o ataque foi à agência dos Correios. Parte dos criminosos explodiu cofres, enquanto outros dispararam tiros para intimidar a população e a polícia.

“Lá o poder de fogo foi menor, mas ainda assim houve tiros. Alguns bandidos armados com fuzis ficaram próximo ao destacamento da PM para impedir qualquer reação policial. Estavam no plantão dois policiais, que também ficaram acuados. Alguns disparos atingiram o prédio, mas eles não se feriram. Depois, o bando fugiu em motocicletas e numa caminhonete, espalhando grampos pelas ruas”, informou o aspirante Diego.

Até a publicação desta matéria, nenhum suspeito dos ataques tinha sido localizado. Equipes de Campina Grande tinham sido enviadas para dar reforço nas buscas.

Reunião para discutir segurança fica sem solução

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) não apresentou nenhuma proposta concreta sobre a instalação de dispositivos que inutilizem as cédulas em caso de assalto aos caixas eletrônicos da rede bancária da Paraíba, mesmo tendo se comprometido, em entendimentos com órgãos do Governo Estadual. A situação foi discutida em uma reunião nesta quarta-feira (24) e causou mal estar.

No encontro, Procon Estadual anunciou o início das fiscalizações com aplicação de multas de até R$ 5 milhões. O secretário de Segurança, Cláudio Lima, foi mais além, disse que sabia da pré-disposição dos bancos que, desde 2007, têm conhecimento das tecnologias para inutilizar o dinheiro, mas pouco fizeram.

Para a superintendente do Procon da Paraíba, Késsia Liliana Dantas, o representante da Federação Brasileira dos Bancos, Gildo Carneiro, limitou-se a dizer que os bancos já estão usando sistemas próprios de segurança e lamentou que os assaltos causem prejuízos tanto aos bancos como à população. Dantas disse que os prejuízos estão sendo assumidos pelos bancos com a rubrica “risco de atividade”, já que as seguradoras não querem fazer seguro bancário.

“Nós tínhamos uma proposta de realizar um Termo de Ajustamento de Conduta com os bancos, definindo que equipamentos seriam instalados e prazos. Isto, depois de os bancos informarem a situação de cada em termos dos dispositivos que já são usados. Entretanto, diante do que ouvimos, tudo foi inviabilizado e, a partir de segunda-feira, iniciaremos as fiscalizações em  todo Estado”, disse Késsia Dantas.

Relacionadas