domingo, 15 de setembro de 2019
Cidades
Compartilhar:

Mães de recém-nascidos não estão conseguindo receber caderneta de vacina

Katiana Ramos / 27 de julho de 2018
Foto: Divulgação
As mães que estão procurando o Centro Municipal de Imunizações e os Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais) dos bairros de Jaguaribe e Mandacaru, em João Pessoa, não estão recebendo as cadernetas de controle de vacinação infantil. As cadernetas são enviadas pelo Ministério da Saúde e, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) da capital, a previsão é de que o material chegue à rede municipal até o final do próximo mês.

Por meio da assessoria de comunicação, o Ministério da Saúde informou apenas que a última entrega de cartões de vacina, em todo o País, foi realizada em junho de 2017, com a distribuição de 3,27 milhões de cadernetas. Esse quantitativo, segundo a pasta, equivale ao número de nascidos vivos no período de 12 meses e mais 10% como reserva. Embora não tenha admitido a falta de novas cadernetas em algumas localidades, a assessoria alegou que o MS está com uma licitação em andamento para a produção de uma nova remessa.

O chefe do setor de Imunizações da SMS, Fernando Virgolino, acredita que a falta de cadernetas de vacinação se deu ao número maior de nascimentos registrados na capital este ano. “Como muitas mães vem ter os seus bebês nas maternidades de João Pessoa, o número de nascimentos pode ter sido superior ao esperado, aí as carteiras não foram suficientes. Mas, nós já solicitamos um novo pedido ao Ministério da Saúde e estamos aguardando”, reforçou.

Fernando Virgolino informou ainda que na falta das cadernetas do MS estão sendo entregues os cartões de vacina provisório, que são confeccionados pela Prefeitura. O documento está sendo entregue normalmente, em diversos locais que compõem a Atenção Básica do Município e nesse cartão há todas as vacinas que as crianças devem tomar, de acordo com a faixa etária.

“Esse cartão provisório tem todas as informações básicas das vacinas e espaço para os registros”, explicou Fernando Virgolino.

Os cartões de vacianção são distribuídos nas maternidades públicas e particulares da capital e ainda nos Cais de Mangabeira, Jaguaribe, Centro de Imunizações e em algumas Unidades Integradas de Saúde da cidade.

Documento. A Caderneta de Saúde da Criança é um instrumento de identificação e acompanhamento da saúde (crescimento e desenvolvimento) da criança de 0 a 9 anos. O instrumento contém informações e orientações sobre saúde, direitos da criança e dos pais, registro de nascimento, amamentação e alimentação saudável, vacinação, sinais de perigo de doenças graves, prevenção de violências e acidentes, entre outros.

Campanha de imunização

A Campanha Nacional de Vacinação contra poliomielite e sarampo será realizada entre os dias 6 e 31 de agosto, com o Dia D em 18 de agosto. A ação é voltada para crianças na faixa etária de um ano a menores de cinco (4 anos, 11 meses e 29 dias), independente da situação vacinal.

De acordo com a chefe do Núcleo de Imunização da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Isiane Queiroga, é importante ressaltar que a campanha nacional indiscriminada é voltada apenas para crianças de um ano a menores de cinco anos.

“Os demais só devem tomar a vacina contra o sarampo na rotina, caso não tenham completado o esquema ou não tenham comprovação vacinal. Quem já tomou a tríplice não precisa tomar novamente. Recomenda-se que, ao procurar uma unidade de saúde, o usuário apresente seu cartão de vacinação para avaliação da sua situação vacinal”, explica.

Isiane Queiroga também ressalta que a vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) deve ser aplicada em duas doses para o público entre 12 meses e 29 anos, além de profissionais de saúde de qualquer idade. A população 30 e 49 anos deve tomar apenas 1 dose.

Ações de prevenção às hepatites em João Pessoa

O Complexo Hospitalar de Doenças Infectocontagiosas Clementino Fraga (CHCF) realiza atividades alusivas ao Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, que é comemorado amanhã. A data representa o Julho Amarelo, que é a cor que representa o combate às hepatites virais no Brasil.

A programação das atividades acontece durante três dias consecutivos, finalizando hoje com ações no Clementino Fraga.

Dentre as ações de saúde, serão realizadas testagens rápidas para detecção das hepatites virais, palestras, esclarecimentos à população sobre os sintomas da doença, assim como seu tratamento e prevenção.

Como hospital referência na Paraíba para tratamento das hepatites virais, todos os anos, no mês de julho, o Complexo Clementino Fraga realiza ações educativas, para a prevenção e tratamento da doença.

As hepatites virais são doenças provocadas por diferentes vírus que apresentam características distintas (A,B,C,D e E). Possuem distribuição universal e existem diferenças territoriais na ocorrência.

Relacionadas