terça, 25 de julho de 2017
João Pessoa
Compartilhar:

Um paraibano morre afogado a cada 3 dias e bombeiros fazem curso de salvamento

Bruna Vieira / 31 de julho de 2015
Foto: Assuero Lima
Em média, a cada três dias, uma pessoa morre afogada, na Paraíba. Os óbitos podem ser evitados, com o resgate certo e o trabalho preventivo. O Corpo de Bombeiros Militar treinou 22 civis para emergências aquáticas. O curso foca no trabalho preventivo e no socorro fora da água. Os alunos aprendem a fazer resgate, mas o CBM alerta que só o bombeiro deve entrar na água.

Segundo o major Tiago Aragão, o resgate por civis só deve ser feito se não oferecer risco para quem salva.

Os cursistas aprenderam maneiras de prevenir afogamentos. “Orientar os banhistas, adverti-los para não entrar na água alcoolizados ou após ter ingerido alimentos pesados, nadar longe de pedras, estacas e píer e a respeitar as ordens do guarda-vidas. Além de cuidados com idosos, crianças e pessoas com deficiência”, declarou o major. Tiago ressaltou a importante observar a tábua de marés.

Importante

João Viana trabalha na área de saúde e lida constantemente com vidas e vê no curso uma maneira de preservar a vida das pessoas. “Acho importante um treinamento assim porque através disso a gente pode salvar vidas no futuro, até da própria família. Ninguém quer que aconteça, mas se acontecer é bom estar pronto”, contou o enfermeiro.

É possível improvisar

O CBM possui equipamentos de salvamento específicos, mas o major Tiago lembra que é possível improvisar. “Coco, garrafas descartáveis são objetos flutuantes. Não se pode entrar no mar sem equipamento. O primeiro passo é fornecer ventilação precoce, que inicia dentro dágua. É preciso ver, ouvir e sentir se a vítima está respirando”, afirmou.

A professora Ana Jardim está passando férias na capital e acredita que treinamentos assim são positivos. “A gente se sente mais seguro quando há pessoas habilitadas para salvamento por perto”, disse a banhista gaúcha.

Relacionadas