terça, 12 de dezembro de 2017
João Pessoa
Compartilhar:

População reclama de USFs em bairro de João Pessoa

Beto Pessoa / 14 de outubro de 2017
Foto: Nalva Figueiredo
Moradores do Alto do Mateus, bairro da zona Oeste de João Pessoa que concentra mais de 16 mil habitantes, têm denunciado irregularidades nas Unidades de Saúde da Família (USFs) da região. Faltam medicamentos, profissionais e os exames são marcados à perder de vista.

Na USF Nova Conquista, a comerciante Ivânia Mirtes, 47 anos, aguarda desde junho um exame de tomografia para a filha, Josivânia Mirtes, que bateu a cabeça numa placa de ferro e até hoje sente dores diárias. Ela explica que, até o momento, nenhum procedimento foi realizado na unidade, apesar da constante procura.

“Estamos aqui quase todo dia tentando marcar esse exame. Mas eles não marcam. Enquanto não marcam a tomografia, sugeriram que minha filha ficasse fazendo fisioterapia, mas sempre que vamos, no dia e horário combinados, a fisioterapeuta não comparece e nem dá uma justificativa da falta. Enquanto isso minha filha continua sentindo dores de cabeça”, disse a comerciante.

Na USF Alto do Mateus I, além da longa espera para realização de importantes exames, falta medicamentos básicos, revela Joseane Pereira, 29 anos, mãe de duas crianças. “Já aconteceu da gente não ter nenhum medicamento aqui, ter que tirar do próprio bolso. Meu menino levou uma queda e a cabeça dele formou um ‘caroço’. Passamos quase 1 ano para conseguir fazer a tomografia”, disse.

No local também foi encontrado muito lixo e entulho no terreno que fica ao lado da USF.

Já na USF Alto do Mateus VI, o problema está no horário de funcionamento. As unidades, segundo determinação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), devem abrir de segunda a sexta, das 7h às 11h e das 12h às 16h, entretanto nem sempre isso acontece, explica Glauciene Dionísio, 27 anos. “O posto de saúde abre todo dia, mas muitas vezes passa poucas horas aberto”, disse.

O que diz a SMS

▶ A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em nota, disse que a Direção do Distrito Sanitário I, responsável pelo território em que estão localizadas as USFs citadas, está avaliando os motivos da demora na marcação e realização dos exames dos usuários. A Direção do Distrito solicita que os usuários procurem a Gerente de Saúde da sua unidade portando os documentos pessoais e requisição dos exames para que o encaminhamento necessário e celeridade sejam dados aos casos. A Rede Municipal de Saúde possui 195 Equipes de Saúde da Família, distribuídas em 98 prédios.

Relacionadas