sexta, 22 de fevereiro de 2019
João Pessoa
Compartilhar:

JP entre as cidades com mais potencial de crescimento

Ainoã Geminiano Com assessoria / 28 de abril de 2016
Foto: Rafael Passos
A pesquisa Connected Smart Cities (Cidades Inteligentes) mostra as cidades que investiram em áreas diversas e têm potencial para se tornarem autossustentáveis.

O estudo colocou João Pessoa entre as 50 cidades do País com maior potencial de desenvolvimento (29ª posição), considerando setores. Outras cinco cidades paraibanas também aparecem em alguns dos rankings temáticos estudados: mobilidade, urbanismo, meio ambiente, energia, tecnologia e inovação, saúde, segurança, educação, empreendedorismo, economia e governança.

Os dados serão debatidos em um encontro que acontece hoje, em Recife (PE), com gestores municipais, estaduais, universidades, organizações federais e empresas das áreas de tecnologia e serviços.

Foram avaliados 700 municípios, com base em 70 indicadores que retratam inteligência, conexão e sustentabilidade e permitem um mapeamento das oportunidades de cada município para se transformar em uma cidade inteligente.

“Fizemos esse primeiro levantamento e, a médio prazo, iremos partir para a análise de campo, buscando a constatação do que acontece na prática e fazendo um diagnóstico de cada tema. Queremos incentivar outras cidades a promover uma reflexão sobre as áreas em que precisam ser melhorado, além de mostrar a esses municípios que aparecem no ranking o que ainda falta para que se tornem uma Smart Cities. A boa colocação não significa que esteja tudo bem e sim que aquela área recebeu maior volume de investimentos”, explicou Paula Faria, diretora da empresa e coordenadora da pesquisa.

Para mensurar o nível de preparação de cada cidade para ser considerada uma cidade inteligente, foi estabelecida a pontuação ideal de 63 pontos. A cidade brasileira que mais se aproximou foi o Rio de Janeiro, que chegou a 29 pontos, na análise de 70 indicadores.

“Isso mostra que o ranking não fala de cidades prontas e sim o quanto ainda estamos distantes de termos cidades inteligentes”, acrescentou Paula.

Leia Mais

Relacionadas